Energia elétrica retorna à cidade de Kherson, anuncia ocupação pró-Rússia

A energia elétrica retornou à cidade de Kherson, no sul da Ucrânia e controlada pelas tropas russas, após dois dias de apagão, anunciou nesta terça-feira um os principais nomes do governo de ocupação, Kirill Stremousov.

A cidade ucraniana, sob controle da Rússia praticamente desde o início da ofensiva (que começou em fevereiro), ficou sem abastecimento de água e energia elétrica no domingo, após bombardeios que provocaram uma troca de acusações entre Moscou e Kiev.

Os ataques também provocaram danos na represa hidrelétrica de Kajovka, controlada pelas forças russas e que fornece energia à península da Crimeia, anexada por Moscou em 2014.

"Há energia elétrica, apesar dos atos de sabotagem e atentados", afirmou Stremousov no Telegram, sem revelar mais detalhes.

Ao mesmo tempo, o Serviço Federal de Segurança (FSB) anunciou nesta terça-feira a detenção de nove integrantes de um "grupo de espionagem e sabotagem" das forças ucranianas.

Em um comunicado, o FSB acusa os detidos de planejarem ataques contra altos funcionários da administração da ocupação na região de Kherson.

Durante a operação, os agentes apreenderam granadas, munições e um carro-bomba, segundo o FSB, que anunciou uma investigação por "ato de terrorismo internacional".

Kherson é a principal cidade ucraniana tomada pelas forças de Moscou desde o início da invasão.

Há várias semanas as forças ucranianas organizam na região de mesmo nome uma contraofensiva que permitiu recuperar território ao norte da cidade.

Nos últimos meses foram registrados vários ataques, alguns fatais, contra autoridades da ocupação russa.

A Rússia anunciou uma "retirada" de milhares de civis da região, uma manobra que a Ucrânia chama de "deportação".

bur/pz/dbh/mar/fp