Engasgo: conheça os alimentos que mais oferecem risco às crianças

Durante as férias escolares um dos principais motivos que levam crianças ao pronto-socorro é o engasgo. Isso ocorre porque como elas passam mais tempo em casa, vendo filmes e brincando, o hábito alimentar pode mudar um pouco. E a lista de alimentos que causam o incomodo é grande, na maioria das vezes, tem formato pequeno e arredondado.

'Depression room': bagunça piora humor e pode ser sinal de crise na saúde mental; saiba como arrumar

Preta Gil: entenda o que é o adenocarcinoma no intestino diagnosticado na cantora

Entre os principais causadores de engasgo em crianças nas férias estão: a pipoca e o milho da pipoca, uva, morango, tomate cereja, azeitonas, balas. Alimentos muitos secos como castanhas e amendoins também são grandes vilões. Pedaços de carnes e frangos, quando cortados em quadrados, e um pouco maiores do que as crianças estão habituadas a ingerir, também podem bloquear as vias respiratórias e causar o engasgo.

O que é o engasgo

Apesar de parecer algo normal, o engasgo é a causa da morte de cerca de 3 mil pessoas por ano no Brasil. Além de provocar uma tosse incessante, se não for tratado pode causar uma asfixia causada pela obstrução das vias respiratórias e que pode fazer com que a pessoa tenha uma parada cardiorrespiratória, desmaie e levando ao óbito.

O engasgo nada mais é do que a resposta do organismo para tentar expelir um corpo que entrou “pelo caminho errado” na hora de engolir a comida. Esse erro é evitado graças a uma estrutura chamada epiglote, localizada atrás da língua, que funciona como uma válvula. Ela normalmente permanece aberta, para que o ar entre na traqueia e chegue aos pulmões. Mas, na hora de engolir, essa estrutura se fecha para que a comida não entre nas vias respiratórias, e sim no caminho para o estômago.

Como evitar

Uma grande parte de como evitar o engasgo nas crianças é no modo de preparar e servir a refeição. É importante que os pais sempre tentem cortar carnes, frangos, frutas em pedaços pequenos, ou em forma de palitos na espessura de um dedo mindinho, para se forem engolidos sem a mastigação necessária, eles não fiquem presos na garganta.

A salsicha do cachorro-quente, por exemplo, é um alimento que frequentemente causam engasgo, pois são cortados em formas arredondadas e as vezes grossa. Se sugados, sem a mastigação, elas podem entalar na garganta causando o engasgo. Neste caso, os pais devem cortar as rodelas em quatro pedaços pequenos.

Covid-19: janeiro tem indicadores da doença controlados pela primeira vez na pandemia

Líquidos ingeridos na mamadeira, como a água ou o leite, também podem causar engasgos dependendo da posição que o bebê ingere a bebida. Neste caso, é importante que os pais estejam atentos para não deixar o bebê em posições muito deitadas enquanto estão ingerindo líquidos.

Brinquedos pequenos, como peças de montagem e bonecos soltos, pilhas, baterias, moedas, botões e pedrinhas também estão entre os objetos que as crianças, principalmente até os dois anos, colocam na boca e podem se engasgar com elas.

O que fazer nesses casos?

A forma mais utilizada para desengasgar uma pessoa é a manobra de Heimlich. Ela envolve uma pressão, realizada por uma outra pessoa que não esteja engasgando, na região da boca do estômago (região epigástrica) para ajudar o corpo a expelir o alimento, ou objeto, que esteja obstruindo a traqueia.

De acordo com o Ministério da Saúde, a outra pessoa deve se posicionar por trás da que está se engasgando e abraçá-la na região do abdômen. Nessa hora, uma das mãos deve permanecer fechada na área da boca do estômago, como formando um punho, enquanto a outra mão é posicionada sobre ela, comprimindo-a.

Então, é preciso realizar um movimento de gancho, empurrando a área da boca do estômago para dentro e para cima, como se fosse levantar a pessoa que está engasgando do chão. Isso deve ser feito repetidas vezes até que o alimento, ou objeto, seja expelido pela vítima. Em crianças, é necessário ajoelhar-se antes de dar início ao protocolo, para ficar na altura correspondente.

Papinhas de bebê: estudo encontra 21 substâncias tóxicas ao organismo humano

Entretanto, se for um bebê, com menos de um ano de idade, essa manobra não é aconselhada. Nesse caso, deve-se colocar o bebê de bruços em cima do seu braço, levemente inclinado para baixo, e fazer cinco compressões no meio das costas, na região entre as escápulas. Caso ainda assim o bebê não desengasgue, a pessoa deve virá-lo para cima e realizar mais cinco compressões sobre o osso que divide a região do peito, o esterno.

Mesmo com as manobras, é importante que a emergência médica seja chamada para realizar os primeiros socorros com eficiência.