Enquanto Lula e Haddad ignoram Bolsonaro, Gleisi critica ‘bravatas e ódio’ em discurso

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Apesar de o presidente Jair Bolsonaro (PL) ter novamente atacado o PT durante a convenção do PL neste domingo, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) preferiu ignorar o evento e não rebater diretamente o discurso bolsonarista. Houve tuitaço nas redes sociais para desviar o foco da convenção, mas a militância evitou críticas ao rival e buscou somente exaltar Lula.

Procurado pelo GLOBO, o PT afirmou que Lula e o ex-prefeito Fernando Haddad (PT) não iriam se manifestar sobre a fala de Bolsonaro. Lula é adversário do presidente nas eleições deste ano e aparece como favorito nas pesquisas de intenção de voto. Haddad perdeu para o atual mandatário em 2018 e hoje é pré-candidato ao governo de São Paulo.

A presidente do partido, a deputada federal Gleisi Hoffmann (PT-PR), por outro lado, criticou publicamente o discurso. Ela disse que Bolsonaro atacou o Supremo Tribunal Federal (STF) e “ofendeu” a população brasileira e as pessoas surdas. O presidente chamou os ministros do STF de “surdos togados que não ouvem”, durante o evento.

Mais: Na convenção do PL, Michelle discursa para 'humanizar' Bolsonaro e reduzir rejeição entre mulheres

Leia: Bolsonaro chama Lira de 'amigo de longa data' e 'dono da pauta' após presidente da Câmara receber vaias em convenção

Gleisi também afirmou que os ataques de Bolsonaro são “porque (ele) sabe que não ganha no voto”. No último Datafolha, divulgado em 23 de junho, Lula tinha 47% das intenções de voto no primeiro turno, contra 28% de Bolsonaro.

Ao GLOBO, o líder do PT na Câmara dos Deputados, Reginaldo Lopes (PT-MG), chamou o discurso de Bolsonaro de “golpista”. Ele também criticou a convocação feita pelo presidente para manifestações no 7 de Setembro, dizendo que essa “será a última vez” que ele faz isso:

— Com certeza essa será a última vez que ele convoca a nossa gente, porque no dia 2 de outubro ele não será mais o presidente da República e nós vamos conseguir a verdadeira liberdade.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos