Enquanto Nova York fecha hospital de campanha, outro é aberto em Washington

1 / 2
O hospital de campanha instalado no início de abril no Central Park foi desmontado nesta segunda-feira

O hospital de campanha instalado no início de abril no Central Park foi desmontado nesta segunda-feira (11) devido à redução dos casos de coronavírus em Nova York, enquanto outro foi aberto em Washington como medida preventiva diante da possibilidade de agravamento da pandemia.

Em pouco mais de um mês, o Hospital Temporário do Central Park, com 68 leitos, tratou 190 pacientes com COVID-19, disse à AFP um porta-voz do local.

O hospital da organização evangélica Samaritan's Purse foi instalado no parque em frente a um dos grandes hospitais da rede Mount Sinai na Quinta Avenida, em Manhattan.

O material será carregado em caminhões e enviado para o armazém da organização na Carolina do Norte e, no momento, sua instalação em outro local não está prevista.

Este hospital de campanha foi objeto de controvérsia em Nova York porque a Samaritan's Purse é presidida pelo pastor evangélico Franklin Graham, filho do conhecido pastor Billy Graham, que ganhou fama na televisão.

Franklin Graham estima que o casamento entre duas pessoas do mesmo sexo é obra de Satanás e que o Islã é uma religião "má".

A associação pede que seus funcionários e voluntários assinem um documento no qual eles aceitam que "o casamento é exclusivamente a união de um homem genético com uma mulher genética".

Vários legisladores e cidadãos pediram a retirada do hospital Samartitan's Purse, incluindo o presidente do Conselho da Cidade, Corey Johnson, que é gay.

A Samaritan's Purse disse que não discrimina as pessoas a quem serve.

A cerca de 400 km de distância, o prefeito de Washington, Muriel Bowser, inaugurou outro hospital de campanha nesta segunda no Centro de Convenções Walter E. Washington, que será usado se a pandemia piorar na capital federal americana.

"Esperamos que nunca tenhamos necessidade de usar esse local de 437 leitos no centro da cidade", disse Bowser em entrevista coletiva.

Bowser deve anunciar esta semana se prolongará o confinamento em Washington, quando o estado vizinho, a Virgínia, se prepara para uma reabertura parcial na sexta-feira.

A cidade registrou 6.389 casos positivos de coronavírus a partir do domingo, com 328 mortes.