Enteado de cientista político francês o denuncia por abuso sexual

·1 minuto de leitura
Olivier Duhamel, de 70 anos, foi acusado em um livro publicado este mês de ter abusado de seu enteado quando ele tinha apenas 14 anos

A pressão sobre um dos cientistas políticos mais destacados da França, investigado por supostos abusos sexuais, aumentou nesta terça-feira (26) quando seu enteado e suposta vítima apresentou formalmente uma denúncia contra ele.

Olivier Duhamel, de 70 anos, foi acusado em um livro publicado este mês de ter abusado de seu enteado quando ele tinha apenas 14 anos. As acusações foram feitas pela irmã gêmea da suposta vítima, Camille Kouchner.

Após décadas de silêncio, "Victor" - nome fictício para proteger sua identidade - apresentou uma denúncia formal contra Duhamel, segundo informou sua advogada, Jacqueline Laffont, à AFP.

"Victor" foi interrogado na semana passada pela polícia depois que o Ministério Público de Paris abriu uma investigação por "estupros e agressões sexuais por parte de uma pessoa com autoridade sobre um menor de 15 anos".

O livro "La Familia Grande" comoveu os círculos intelectuais franceses, dada a proeminência de Duhamel e suas estreitas conexões com esta elite, acusada de complacência.

Em seu livro, Camille Kouchner afirma que as agressões sexuais aconteceram durante vários anos e que muitas pessoas estavam cientes.

Duhamel renunciou ao seu cargo como presidente da Fundação Nacional de Ciências Políticas e abandonou sua participação habitual em programas de rádio e televisão.

"Victor", que é filho do ex-ministro e médico humanitário Bernard Kouchner, foi interrogado em uma primeira investigação em 2011, mas se negou a apresentar uma denúncia. A investigação foi, portanto, arquivada.

A nova investigação aberta após a publicação do livro de sua irmã busca verificar se os fatos prescreveram e "identificar outras potenciais vítimas", disse o promotor de Paris, Rémy Heitz.

edy-meb/mb/aa