Entenda como Serrana (SP) virou a única cidade do país protegida contra Covid-19

Redação Notícias
·10 minuto de leitura
A homeless person is inoculated with the CoronaVac vaccine against COVID-19 during an immunization campaign for people on the streets in Sao Paulo, Brazil, on March 30, 2021. (Photo by Miguel SCHINCARIOL / AFP) (Photo by MIGUEL SCHINCARIOL/AFP via Getty Images)
A vacinação em Serrana faz parte do Projeto S, um estudo do Instituto Butantan que vai avaliar a eficácia da CoronaVac na prevenção de infecções pelo coronavírus (Foto: MIGUEL SCHINCARIOL/AFP via Getty Images)
  • O município de Serrana concluiu a vacinação em massa contra o coronavírus neste domingo (11), tornando-se a única cidade do país a contar com uma população economicamente ativa protegida

  • Autoridades municipais de Saúde relatam que já perceberam os primeiros efeitos da campanha em massa, como a não intubação de pacientes há 13 dias e a queda nos atendimentos Covid-19

  • Vacinação faz parte do Projeto S, um estudo do Instituto Butantan que vai avaliar a eficácia da CoronaVac na prevenção de infecções pelo coronavírus

O município de Serrana, no interior de São Paulo, concluiu a vacinação em massa contra o coronavírus neste domingo (11). Com isso, a cidade tornou-se a única do país a contar com uma população economicamente ativa protegida contra Covid-19.

A vacinação em Serrana faz parte do Projeto S, um estudo do Instituto Butantan que vai avaliar a eficácia da CoronaVac na prevenção de infecções pelo coronavírus.

Leia também

Embora ainda não existam resultados oficiais sobre os efeitos da imunização em massa na cidade — o instituto paulista prometeu divulgar as primeiras análises em maio —, as autoridades municipais de Saúde relatam que já perceberam os primeiros efeitos da campanha em massa.

A cidade está há 13 dias sem nenhum novo caso de intubação em decorrência da Covid-19. Segundo a administração, o último procedimento foi feito em 29 de março, na Unidade de Pronto Atendimento (UPA), quando o paciente em questão foi encaminhado para UTI do Hospital Estadual de Serrana.

De acordo com o Estadão, a UPA da cidade viu o número de pacientes intubados cair de um total de sete, em março, para zero neste primeiro terço de abril. A Santa Casa de Serrana, por sua vez, teve três intubações no mês passado, mas a última delas foi dia 18. 

Segundo Glenda Moraes, chefe da Vigilância Epidemiológica, os cinco pacientes do município que estão hoje na UTI do Hospital Estadual foram internados em março — não há novos casos graves em abril.  

Os moradores com mais de 18 anos tiveram direito a duas doses da CoronaVac, vacina contra a Covid-19 desenvolvida pelo Instituto Butantan, e só ficaram de fora mulheres grávidas, pessoas com doenças crônicas e pessoas com sintomas do vírus. Foram mais de 27 mil dos 46 mil habitantes no total imunizados.

Atendimentos Covid-19 despencaram

Outro indicativo de melhora foi a redução, na última semana, do número de atendimentos na UPA para Covid-19 ou síndrome gripal. Houve, de acordo com dados da secretária de Saúde, uma queda de aproximadamente 67% em comparação com a média das semanas do mês de março. 

"Tínhamos em torno de 80 a 90 atendimentos por dia na UPA. Nesta semana, passou para, em média, 30 por dia", explicou Glenda ao Estadão. 

Porém, segundo a chefe de Vigilância Epidemiológica, ainda é cedo para associar esse desafogamento do sistema municipal de Saúde ao Projeto S

"Precisamos aguardar mais um tempo para saber o efeito da vacinação em massa", disse, referinfo-se ao tempo da resposta imunológica completa da vacina que só ocorre duas semanas após a aplicação da segunda dose.

A cidade de Serrana foi dividida em quatro grupos:

  • Verde

  • Amarelo

  • Cinza

  • Azul

Cada grupo foi vacinadoa alternadamente, em diferentes semanas, de acordo com os critérios de prioridade (Entenda melhor abaixo).

A woman is seen after receiving a dose of the COVID-19 vaccine at a vaccination center on Cangulo square, Saracuruna neighbourhood, in Duque de Caxias, Rio de Janeiro state, Brazil, on March 30, 2021. (Photo by Mauro Pimentel / AFP) (Photo by MAURO PIMENTEL/AFP via Getty Images)
A partir de agora, segundo o Estadão, os pesquisadores do Projeto S vão avaliar o impacto da vacinação em massa nos casos de internação, na mortalidade e na transmissão do novo coronavírus em Serrana (Foto: Mauro Pimentel / AFP)

Projeto S do Instituto Butantan

A primeira fase do estudo, com a aplicação da primeira dose da Coronavac, foi finalizada no dia 14 de março, com a participação de aproximadamente 28 mil pessoas — o equivalente a 97,6% do público-alvo da pesquisa. 

Já a segunda dose começou a ser aplicada no dia 17 do mês passado, no grupo verde. Neste domingo, com a conclusão da vacinação do quarto e último grupo (azul), Serrana tem ao todo 27.160 mil habitantes acima de 18 anos completamente vacinados contra a Covid-19.

A partir de agora, segundo o Estadão, os pesquisadores do Projeto S vão avaliar o impacto da vacinação em massa nos casos de internação, na mortalidade e na transmissão do novo coronavírus em Serrana. 

Segundo Marcos de Carvalho Borges, investigador principal do estudo, da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP (Universidade de São Paulo), os primeiros resultados concretos começarão a ser divulgados pelo Instituto Butantan no meio de maio, mas os vacinados ainda serão acompanhados ao longo de um ano, para entender quanto tempo durará a resposta imunológica proporcionada pela Coronavac.

Vacinação pode reativar a economia

A prefeitura da cidade no interior paulista afirmou também que quer aproveitar a imunização em massa para ativar a economia.

Além disso, a administração estuda criar um programa de estímulos para as indústrias da região que quiserem investir no município. 

O grande diferencial do projeto D, como vai ser chamado, é que a partir de agora Serrana é a única cidade do país a contar com uma população economicamente ativa protegida contra Covid-19.

Vacinação em São Paulo

São Paulo começará a vacinar pessoas de 67 anos a partir do dia 14 de abril, próxima quarta-feira. Na semana seguinte, em 21 de abril, será iniciada a imunização de pessoas de 65 e 66 anos. O anúncio foi feito pelo governador João Doria (PSDB).

"Tenho visitado postos de vacinação, bem cedo, logo na abertura desses postos. E cada vez fico mais sensibilizado com pessoas de idade sendo imunizadas", disse Doria. "E fico muito feliz de ver familiares felizes por essas pessoas estarem sendo vacinados.

O governo do estado estima vacinar 350 mil pessoas com 67 e mais 760 mil pessoas entre 65 e 66 anos.

Nesta segunda-feira (12), em todo o estado de São Paulo, professores começarão a ser vacinados contra o coronavírus. Inicialmente, a vacinação será para profissionais da educação a partir dos 47 anos.

Atualmente, estão sendo vacinadas de 68 anos em todo o estado de São Paulo, além de forças policiais. Na próxima segunda-feira (12), começará a vacinação de professores com mais de 47 anos, cerca de 350 mil pessoas.

Confira o calendário:

  • 12 de abril: início da vacinação de professores

  • 14 de abril: início da vacinação de pessoas com 67 anos

  • 21 de abril: início da vacinação de pessoas de 65 e 66 anos

Vacina Já pelo Whatsapp

O estado de São Paulo firmou uma parceria com o Whatsapp. Agora, os paulistas poderão se fazer pré-cadastro no Vacina Já por meio do aplicativo de mensagem. Para isso, é preciso mandar uma mensagem para o número (11) 952-202-923 e preencher o pré-cadastro.

Entrega de vacinas

No último dia 7, o Instituto Butantan entregou mais um milhão de doses da Coronavac. Até agora, o instituto já repassou 38 milhões de doses do imunizante ao governo federal. Até 30 de agosto, deverão ser entregues 100 milhões de doses.

Nos próximos dias, o Butantan deve receber mais matéria prima da China, 6 mil litros de IFA, com os quais serão produzidos 10 milhões de doses da vacina contra a Covid-19.

BRAZIL - 2021/04/05: In this photo illustration a symbolic COVID-19 health passport seen on a smartphone screen next to the medical syringes. (Photo Illustration by Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket via Getty Images)
Atualmente, estão sendo vacinadas de 68 anos em todo o estado de São Paulo, além de forças policiais. Na próxima segunda-feira (12), começará a vacinação de professores com mais de 47 anos, cerca de 350 mil pessoas. (Foto: Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket via Getty Images)

Vacinação no Brasil

Na semana passada, o balanço da vacinação contra Covid-19 no Brasil mostrou que mais de 22 milhões de pessoas já receberam a primeira dose de vacina contra o coronavírus. O número representa cerca de 10,5% da população brasileira.

A segunda dose já foi aplicada em 6.357.779 pessoas (3% da população do país) em todos os estados e no Distrito Federal. No total, 28.527.887 doses foram aplicadas em todo o país.

A informação é resultado de uma parceria do consórcio de veículos de imprensa, formado por G1, O Globo, Extra, O Estado de S.Paulo, Folha de S.Paulo e UOL.

Total de vacinados, segundo os governos até o dia 9 de abril, e o percentual em relação à população do estado:

  • *AC: 1ª dose - 60.870 (6,81%); 2ª dose - 13.652 (1,53%)

  • AL: 1ª dose - 343.263 (10,24%); 2ª dose - 79.612 (2,38%)

  • AM: 1ª dose - 463.411 (11,01%); 2ª dose - 144.171 (3,43%)

  • AP: 1ª dose - 57.305 (6,65%); 2ª dose - 19.399 (2,25%)

  • BA: 1ª dose - 1.872.835 (12,54%); 2ª dose - 382.804 (2,56%)

  • CE: 1ª dose - 1.020.623 (11,11%); 2ª dose - 268.984 (2,93%)

  • DF: 1ª dose - 318.010 (10,41%); 2ª dose - 95.809 (3,14%)

  • ES: 1ª dose - 446.889 (11%); 2ª dose - 106.323 (2,62%)

  • GO: 1ª dose - 592.613 (8,33%); 2ª dose - 147.098 (2,07%)

  • MA: 1º dose - 518.849 (7,29%); 2ª dose - 137.465 (1,93%)

  • MG: 1ª dose - 2.086.750 (9,80%); 2ª dose - 693.426 (3%)

  • MS: 1ª dose - 381.734 (13,59%); 2ª dose - 118.130 (4,21%)

  • MT: 1ª dose - 234.347 (6,65%); 2ª dose - 75.425 (2,14%)

  • PA: 1ª dose - 768.491 (8,84%); 2ª dose - 179.181 (2,06%)

  • PB: 1ª dose - 477.910 (11,83%); 2ª dose - 123.972 (3,07%)

  • PE: 1ª dose - 991.876 (10,31%); 2ª dose - 282.378 (2,94%)

  • PI: 1ª dose - 313.315 (9,55%) ; 2ª dose - 67.390 (2,05%)

  • PR: 1ª dose - 1.249.248 (10,85%); 2ª dose - 312.200 (2,71%)

  • RJ: 1ª dose - 1.523.538 (8,44%); 2ª dose - 433.198 (2,49%)

  • RN: 1ª dose - 368.641 (10,43%); 2ª dose - 90.506 (2,56%)

  • RO: 1ª dose - 128.098 (7,13%); 2ª dose - 36.385 (2,03%)

  • RR: 1ª dose - 49.285 (7,81%); 2ª dose - 21.005 (3,33%)

  • RS: 1ª dose - 1.555.270 (13,62%); 2ª dose - 340.046 (2,98%)

  • *SC: 1ª dose - 705.716 (9,73%); 2ª dose - 171.148 (2,36%)

  • SE: 1ª dose - 228.227 (9,84%); 2ª dose - 60.518 (2,61%)

  • SP: 1ª dose - 5.291.568 (11,43%); 2ª dose - 1.973.138 (4,26%)

  • TO: 1ª dose - 121.426 (7,64%); 2ª dose - 38.216 (2,40%)

Quantas doses cada estado recebeu até 8 de abril

  • AC: 174.190

  • AL: 599.960

  • AM: 1.173.524

  • AP: 120.600

  • BA: 2.813.282

  • CE: 1.705.100

  • DF: 564.440

  • ES: 868.920

  • GO: 1.370.130

  • MA: 1.344.590

  • MG: 4.651.980

  • MS: 576.510

  • MT: 561.210

  • PA: 1.331.090

  • PB: 917.928

  • PE: 2.020.930

  • PI: 651.180

  • PR: 2.253.300

  • RJ: 4.391.120

  • RN: 754.690

  • RO: 265.008

  • RR: 146.560

  • RS: 2.861.600

  • SC: 1.328.040

  • SE: 399.680

  • SP: 7.944.689

  • TO: 270.250

O total de doses são números divulgados pelos governos estaduais. Já as informações sobre população prioritária e doses disponíveis são do Ministério da Saúde e as estimativas populacionais são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).