Entenda a denúncia envolvendo o Governo Bolsonaro e a Covaxin

·8 minuto de leitura
Profissional de saúde segura uma dose da vacina Covaxin
Indícios de crimes na contratação da vacina Covaxin pelo Ministério da Saúde são investigados pelo MPF (Photo by Pallava Bagla/Corbis via Getty Images)
  • Vacina Covaxin foi a mais cara entre todas as contratadas pelo Ministério da Saúde, e processo de negociação, o mais rápido

  • Embaixada do Brasil na Índia alertou sobre "dúvidas" em relação à eficácia, à segurança e ao preço da vacina

  • MPF apura indícios de crime na compra feita pelo Ministério da Saúde de 20 milhões de doses da vacina, no valor total de R$ 1,6 bilhão

O Ministério Público Federal (MPF) apura indícios de crime na compra feita pelo Ministério da Saúde de 20 milhões de doses da vacina indiana Covaxin. O governo do presidente Jair Bolsonaro comprou a vacina produzida pela farmacêutica indiana Bharat Biotech por um valor 1.000% maior do que o estimado pela própria empresa seis meses antes.

O contrato para a compra da Covaxin totalizou R$ 1,6 bilhão e foi firmado entre o Ministério da Saúde e a empresa Precisa, que representa o laboratório indiano no Brasil, durante a gestão do ex-ministro Eduardo Pazuello.

Leia também:

Entenda os indícios de irregularidades e as investigações em andamento:

Valor da vacina

A dose da Covaxin é a mais cara entre todas as que foram contratadas pelo Ministério da Saúde, e o processo de aquisição o mais célere de todos, apesar dos alertas sobre “dúvidas” em relação à eficácia, à segurança e ao preço da Covaxin.

O Ministério da Saúde do governo Bolsonaro pagou 15 dólares por cada dose da vacina, valor que correspondia, na época, a R$ 80,70.

Segundo telegrama da embaixada brasileira em Nova Déli, de agosto de 2020, a Bharat Biotech estimava que cada dose da Covaxin custava 100 rúpias, valor que equivale a aproximadamente 1,34 dólares. Outro comunicado diplomático, de dezembro de 2020, garantia que o imunizante seria mais barato que uma garrafa de água.

A Pfizer, por exemplo, vendeu cada dose por 10 dólares e o valor foi considerado um problema pelo governo federal.

Foi o próprio presidente Jair Bolsonaro quem deu a ordem para a compra da vacina Covaxin contra a covid-19.

Presidente Jair Bolsonaro olha duas mãos se apertando
Presidente Jair Bolsonaro citou Covaxin como uma das vacinas "escolhidas" pelo governo (Foto: REUTERS/Adriano Machado)

Rapidez na negociação

O processo de negociação para compra da vacina indiana Covaxin foi o conduzido mais rápido pelo governo federal, mesmo após alertas de “dúvidas” em relação à eficácia, à segurança e ao preço do imunizante.

Segundo documento do Ministério da Saúde, o período entre a negociação e a assinatura do contrato para aquisição da Covaxin levou 97 dias. Por outro lado, o processo para compra do imunizante da Pfizer demorou 330 dias, o prazo mais longo entre todas as vacinas.

Nenhuma outra negociação demorou menos de 100 dias, aponta uma nota informativa da Saúde enviada à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid no Senado.

Telegramas diplomáticos enviados à comissão mostram que a Embaixada do Brasil em Nova Déli alertou o governo brasileiro sobre dúvidas envolvendo as condições da aprovação da vacina na Índia. Os problemas foram informados ao Itamaraty no mesmo período em que o presidente Jair Bolsonaro citava a vacina como uma das “escolhidas” pelo governo brasileiro, junto à Oxford, em carta ao premiê indiano.

Pressão sobre servidor

Luís Ricardo Miranda, servidor do Ministério da Saúde, relatou em depoimento ao MPF ter “sofrido pressão atípica” de superiores para garantir a importação da vacina Covaxin. Além disso, ele afirmou que houve ingerência de superiores junto à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). As pendências existentes eram uma responsabilidade da empresa.

Segundo o funcionário, um dos responsáveis pela pressão foi o tenente-coronel do Exército Alex Lial Marinho. O militar chegou em junho de 2020 ao cargo de coordenador-geral de Logística de Insumos Estratégicos para Saúde pelas mãos do general da ativa Eduardo Pazuello, então ministro da Saúde. Pazuello foi demitido em março deste ano. Marinho perdeu o cargo no último dia 8, já na gestão de Marcelo Queiroga.

Luís Ricardo Miranda é irmão do deputado federal Luís Miranda (DEM-DF), que disse que o caso é "bem mais grave" do que a pressão para fechar o contrato, sem detalhar as demais irregularidades.

Deputado Luís Miranda, irmão do servidor do Ministério da Saúde responsável pelos processos de importação (Foto: Pablo Valadares/ Câmara dos Deputados)
Deputado Luís Miranda, irmão do servidor do Ministério da Saúde responsável pelos processos de importação (Foto: Pablo Valadares/ Câmara dos Deputados)

Presença de intermediário

O contrato de compra da Covaxin foi o único fechado pelo governo federal que contou com um intermediário. Documentos obtidos pela CPI da Covid mostram que a representante Precisa Medicamentos lucrou com a transação.

Enquanto a Pfizer se reuniu dez vezes com representantes do governo Bolsonaro, enviou mais de 100 emails e esperou sete meses para conseguir fechar um contrato com o Ministério da Saúde, a Precisa Medicamentos fez apenas seis reuniões e liquidou a fatura em menos de quatro meses.

Detalhe que chamou a atenção de investigadores é que a vacina da Pfizer obteve registro definitivo da Anvisa em fevereiro. Já o contrato com a Precisa foi fechado pelo governo federal quando a vacina Covaxin ainda estava em estágio inicial de desenvolvimento, apesar dos alertas da Embaixada do Brasil na Índia.

No fim de março, a Anvisa negou a certificação de boas práticas de fabricação ao seu desenvolvedor, o laboratório Bharat Biotech, por conta de riscos sanitários e ausência de controle de qualidade após visitar suas instalações.

O Ministério da Saúde pediu à Anvisa a autorização do uso emergencial da Covaxin um mês após adquirir as doses do imunizante, mas a agência anunciou que os dados estavam incompletos. 

No início deste mês, o imunizante do laboratório indiano Bharat Biotech recebeu autorização para uso emergencial, com restrições - e antes mesmo da conclusão da fase 3. 

Empresa investigada

O dono da empresa Precisa, Francisco Maximiano, é o mesmo da Global Gestão em Saúde, alvo de uma investigação do Ministério Público Federal em Brasília por suspeita de improbidade administrativa na gestão do ex-ministro da Saúde Ricardo Barros (PP-PR), hoje líder do governo Bolsonaro na Câmara.

A Global recebeu cerca de R$ 20 milhões antecipados, em 2017, para a entrega de medicamentos para doenças raras ao SUS, o que nunca aconteceu.

Inclusive, a importação da Covaxin foi possível graças a uma emenda de Ricardo Barros.

Líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros
Líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino)

A Medida Provisória (MP) permite que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) conceda "autorização para a importação e distribuição de quaisquer vacinas", insumos ou medicamentos sem registro na Anvisa desde que aprovadas pela autoridade sanitária em outros países. A emenda de Barros acrescentou a Central Drugs Standard Control Organization (CDSCO), da Índia, no rol de órgãos habilitados para dar essa autorização.

Em fevereiro, o deputado chegou a dar uma declaração de que ia "enquadrar" a Anvisa, referindo-se a uma suposta demora da agência em eliminar burocracias para aprovação de vacinas contra a Covid-19.

“Estou trabalhando. Eu opero com formação de maioria. O que eu apresentar para enquadrar a Anvisa passa aqui (na Câmara) feito um rojão. Eu vou tomar providências, vou agir contra a falta de percepção da Anvisa sobre o momento de emergência que nós vivemos. O problema não está na Saúde, está na Anvisa. Nós vamos enquadrar", disse o deputado, em entrevista ao “Estadão".

Doses não foram entregues

A vacina indiana até hoje não chegou ao Brasil. O desembarque dos primeiros lotes estava previsto para março. Pouco antes do vencimento do prazo de entrega, a diretora técnica da Precisa Medicamentos, Emanuela Medrades, disse em audiência o Senado Federal que o governo da Índia priorizaria o Brasil na entrega de doses. Posteriormente, o prazo foi revisto para abril, e a promessa novamente não foi cumprida.

O valor referente à aquisição das doses já foi empenhado pelo Ministério da Saúde, ou seja, está reservado, mas só poderá ser repassado de fato aos fornecedores após a eventual aprovação emergencial ou o registro definitivo do imunizante pela Anvisa.

CPI

O empresário Francisco Maximiano, dono da Precisa Medicamentos, não compareceu ao depoimento à CPI da Covid no Senado marcado para esta quarta-feira (23). Ele alegou que está em quarentena em razão de uma viagem recente à Índia.

Segundo o presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM), o depoimento deve ser remarcado para a próxima semana.

Senador Omar Aziz, presidente da CPI da Covid no Senado
Senador Omar Aziz, presidente da CPI da Covid no Senado (Foto: REUTERS/Adriano Machado)

Integrantes da CPI estudam pedir a condução coercitiva da Maximiano, caso ele se recuse a depor. O empresário foi convocado para esclarecer se houve algum tipo de irregularidade no processo de compra da vacina Covaxin.

Omar Aziz também afirmou que a comissão vai ouvir na próxima sexta-feira (25) o servidor do Ministério da Saúde Luís Ricardo Mirando e o deputado Luís Miranda, que pediu para depor ao lado do irmão.

O técnico, responsável pelos processos de importação no ministério, depôs ao MPF em 31 de março, no inquérito que investiga favorecimento e quebra de cláusulas contratuais para o fornecimento da Covaxin. A oitiva, enviada juntamente com o inquérito à CPI da Covid no Senado, é mantida em sigilo pelo MPF.

MPF

Em despacho que encaminha a investigação para a esfera criminal, a procuradora da República Luciana Loureiro afirma que “a omissão de atitudes corretivas” e o elevado preço pago pelo governo pelas doses da vacina tornam necessária a investigação criminal.

“A omissão de atitudes corretivas da execução do contrato, somada ao histórico de irregularidades que pesa sobre os sócios da empresa PRECISA e ao preço elevado pago pelas doses contratadas, em comparação com as demais, torna a situação carecedora de apuração aprofundada, sob duplo aspecto cível e criminal uma vez que, a princípio, não se justifica a temeridade do risco assumido pelo Ministério da Saúde com essa contratação, a não ser para atender a interesses divorciados do interesse público”, diz a procuradora em despacho assinado no dia 16 de junho.

Além de ser um dos alvos da CPI da Covid, Pazuello já é investigado pela Justiça Federal pela crise de falta de oxigênio em Manaus e responde a questionamentos no Tribunal de Contas da União (TCU).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos