Entenda em quatro pontos as dificuldades para votar no Nordeste

Eleitores de estados do Nordeste denunciaram, neste domingo, que tiveram dificuldades para conseguirem votar. Conforme os relatos, os nordestinos passaram por contratempos impostos por ações policiais em rodovias, falta de ônibus coletivo, bloqueios nas estradas que ligam as zonas rurais às cidades e intimidações.

Vídeos dessas situações foram compartilhados nas redes sociais e logo viralizaram. A hashtag "DEIXEM O NORDESTE VOTAR" chegou ao primeiro lugar dos trending topics, no Twitter, no começo desta tarde.

Os termos "extensão do horário de votação", "crime eleitoral", "ônibus", "diretor da PRF", "impedindo", "PF e PRF", "ditadura", "transporte", "impedir", "Silvinei Vasques" (diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal, "absurdo" e "blitz" também constavam entre os mais comentados nas redes sociais, todos eles com milhares de mensagens denunciando a situação no Nordeste. Em contrapartida, os eleitores do presidente Jair Bolsonaro (PL), candidato á reeleição, usaram a hashtag "Parabéns a PRF", que também entrou para os trending topics.

Apesar dos problemas, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Alexandre de Moraes, afirmou em coletiva, na tarde deste domingo, que não haverá adiamento do pleito. Com isso, os eleitores poderão votar apenas se chegarem ao local de votação até às 17h.

Mais de 500 operações realizadas pela PRF neste domingo dificultaram os eleitores a votarem no segundo turno, especialmente no Nordeste. A corporação descumpriu uma ordem do TSE, que proibiu o órgão de realizar qualquer operação relacionada ao transporte público de eleitores no domingo, para não atrapalhar a votação.

O diretor-geral da PRF, Silvinei Vasques, declarou voto em Jair Bolsonaro nas redes sociais mais cedo neste domingo, mas a postagem foi deletada logo em seguida.

Prefeitos e eleitores de cidades da região fizeram relatos de operações, com blitzes da PRF. Na noite de sábado, Moraes proibiu operações da corporação relacionadas ao transporte de eleitores neste domingo, "sob pena de responsabilização criminal do Diretor Geral da PRF, por desobediência e crime eleitoral".

No entanto, vários relatos de operações da PRF em cidades nordestinas foram compartilhados nas redes sociais. A região registrou a maior vantagem de Lula em relação a Bolsonaro no primeiro turno. O petista teve mais de 21 milhões de votos, enquanto o candidato à reeleição teve mais de 8,7 milhões. A diferença, portanto, foi de quase 13 milhões de votos.

Eleitores também denunciaram que agentes da PRF estão impedindo a livre circulação de ônibus. Para o PT, a medida visa aumentar a abstenção de eleitores e prejudicar o candidato Lula, que tem mais votos entre a população mais pobre, segundo as últimas pesquisas.

Em Jacobina (BA), a 340 quilômetros de Salvador, o prefeito Thiago Dias (PC do B) questiona uma operação feita pela PRF no centro da cidade. Segundo ele, a ação na região é atípica.

– Eu tenho 39 anos, sou lavrador, nunca tinha visto isso em nosso município, a política rodoviária intimidando as pessoas. É uma operação meramente para coagir o eleitor, sem necessidade. É inadmissível. Eles disseram que cumpriam determinação da Superintendência de Brasília. Eu chamei a guarda municipal da cidade e disse que não vai ser guinchado um carro sequer aqui no município. Só passando por cima de mim – afirmou ao GLOBO o prefeito, que analisa acionar o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Nascido em Aracaju, Lucas, de 30 anos, relata que pegou um ônibus em Aracaju com destino a Alagoas, onde vive atualmente. No meio da viagem, segundo ele, uma blitz feita pela PRF paralisou o veículo por cerca de meia hora.

— Peguei o ônibus de Aracaju para Niterói, que fica na divisa com Alagoas. É uma viagem que pode levar até quatro horas, é longa. Muita gente, ao longo do dia, pode perder o horário de votação porque eles permanecem na estrada fazendo a operação — relata Lucas que teve o vídeo replicado pelo senador Humberto Costa (PT-PE). Na gravação, é possível ver os agentes da PRF entrando no veículo.

Apoiadores do candidato petista também relataram intimidações por parte de policiais. Um eleitor de Juazeiro do Norte, no Ceará, compartilhou nas redes sociais um vídeo no qual afirma que agentes ordenaram a retirada de adesivos de Lula e não incomodaram os apoiadores de Bolsonaro.

— Na seção, ali, tá cheio de adesivos da 'besta fera' — diz o eleitor.

— E a Polícia Federal arrancou o adesivo do carro do senhor? — responde a pessoa que faz a filmagem.

— Arrancou e mandou tirar a bandeira do Lula — diz o eleitor.

Declaração: Diretor-geral da PRF posta pedido de voto em Bolsonaro e depois apaga

— Atenção Ministério Público, aqui em Juazeiro do Norte, no bairro Pirajá, a Polícia Federal está vindo aqui arrancando adesivo de Lula, tirando bandeira dos carros, estão intimidando as pessoas — finaliza a autora do vídeo.

Também foram registradas denúncias de bloqueios feitos em estradas que ligam a zona rural às cidades, onde ficam os colégios eleitorais. parte dessas ações foram realizadas pela PRF.

Um vídeo publicado pelo prefeito de Cuité, no interior da Paraíba, em que mostra agentes realizando uma ação na entrada da cidade localizada a 200 quilômetros de João Pessoa.

— O povo da zona rural está intimidado e não está vindo votar. Muitas pessoas não vieram votar por medo de ter que passar pela blitz montada pela PRF na principal entrada da cidade. Estão na entrada da cidade com uma viatura e um reboque, fazendo ainda testes de bafômetro — afirmou ao GLOBO o prefeito de Cuité, Charles Cristiano Inácio da Silva (Cidadania). A cidade tem 17 mil eleitores, dos quais 40% vivem na zona rural.