Entenda a indefinição nos estados que ainda contam os votos para presidente dos EUA

·4 minuto de leitura

MARINGÁ, PR (FOLHAPRESS) - A corrida eleitoral americana segue indefinida porque seis estados -dos quais cinco têm poder de definição- ainda não concluíram a contagem dos votos. Até o momento, o democrata Joe Biden lidera. Com o resultado até agora, ele tem 253 delegados no Colégio Eleitoral, contra 214 do republicano Donald Trump. A eleição para presidente no país é indireta, por meio do Colégio Eleitoral -formado por 538 delegados, divididos de uma maneira proporcional a população de cada estado. O vencedor precisa alcançar 270 deles para se eleger, e isso pode acontecer mesmo se um deles não for ganhador no voto popular. Os Estados Unidos não têm uma Justiça Eleitoral como no Brasil, que organiza, apura e divulga o resultado das eleições. Lá, cada estado é responsável pelas votações em seu território, e é a imprensa que costuma agregar os resultados e somá-los para que se saiba quem terá o maior número de delegados. O estado do Arizona é um dos que estão indefinidos. Mais cedo, havia sido divulgado que Biden havia vencido por lá, conquistando os 11 delegados que o o estado tem direito, o que deixaria o democrata precisando da vitória em apenas mais um dos cinco maiores estados sem definição por enquanto para vencer o pleito. A AFP, porém, voltou atrás e informou que a disputa no estado segue indefinida. O democrata lidera no Arizona, com 1,469 milhão de votos, contra 1.401 de Trump. Só 86% dos votos foram computados até agora, mas Biden é considerado o favorito. Mesmo que vença, ainda precisa conquistar mais um estado para ser eleito. Outro em aberto é a Pensilvânia, importante pois tem 20 votos no Colégio Eleitoral. Por enquanto, Trump lidera, mas sua distância de Biden tem diminuído à medida que os votos enviados por correio, modalidade na qual o democrata tem uma vantagem de 3 para 1, vão sendo contados. Com 92% dos votos computados, Trump tem cerca de 3,231 milhões de votos, 114 mil a mais que Biden. Se conseguir virar na Pensilvânia, Biden vence, mesmo que não obtenha vitória em outro estado, porque conseguiria 273 votos no Colégio Eleitoral. A contagem dos votos na Pensilvânia demora porque, no estado, as 2,5 milhões de cédulas que chegaram por correio só podem começar a ser contadas a partir do dia da eleição, mesmo que tenham sido recebidas antes. Além disso, cédulas demoraram a chegar por conta de atrasos no correio. Espera-se que o resultado leve até sexa-feira (6). A legislação estadual determina uma série de regras para a contagem dos votos por via postal, que incluem desde a verifcação dos dados do eleitor até a checagem do peso da cédula -por isso, historicamente, o resultado de lá costuma demorar mais para sair. Diante do cenário cada vez mais favorável ao adversário, a campanha do republicano entrou com ação na Justiça para tentar suspender a contagem de votos por lá e em Michigan, onde o democrata levou a melhor. Na Geórgia (16 delegados no colégio eleitoral), com 98% dos votos apurados, Trump também segue na frente, mas Biden diminuiu bem a distância. Apenas 13.534 votos o separa dos 2,436 milhões já conquistados por Trump, que vem pedindo insistentemente a suspensão de votos que chegaram via correio depois de terça-feira (3), o dia da eleição. Autoridades disseram esperar qua a contagem -faltam 50.400 cédulas-termine nesta quinta, segundo a ao jornal The Wall Street Journal. Outro estado importante e ainda indefinido é a Carolina do Norte, também com a liderança do republicano, com quase 77 mil votos à frente e faltando cerca de 5% do total de votos serem computados. Quem vencer levará os 15 delegados do estado. Trump é considerado o favorito no estado. Cédulas enviadas por correio podem ser recebidas e computadas no estado até o dia 12, segundo o Wall Street Journal. O mais indefinido é Nevada. Com 89% dos votos apurados, Biden tem 11.438 deles à frente de Trump. Nevada tem 6 delegados. O Alasca também não tem definição, mas conta com apenas 3 votos no colégio eleitoral. Com 56% dos votos computados, Trump tem quase o dobro deles do que Biden, que dificilmente conseguiria reverter o placar. Com o cenário atual, Biden é eleito se obtiver ao menos 17 delegados. Para isso, precisa vencer Pensilvânia ou se vencer em dois destes: Nevada, Arizona, Carolina do Norte (cuja tendência é pró-Trump) ou Geórgia. O republicano, por sua vez, precisa de 56 delegados, o que seria possível se vencesse na Carolina do Norte, na Geórgia, na Pensilvânia e mais em Nevada ou Arizona. Outra combinação possível para Trump seria Alasca, Arizona, Nevada, Geórgia e Pensilvânia.