Entenda o corte de refeições no Santos

Peixe divulga nota explicando alterações e descarta "intenção de economia" na medida

Após polêmica, Santos explicou mudanças na rotina da alimentação no CT Rei Pelé. Foto: Ricardo Moreira/Getty Images
Após polêmica, Santos explicou mudanças na rotina da alimentação no CT Rei Pelé. Foto: Ricardo Moreira/Getty Images

O portal Uol divulgou nesta terça-feira (17) a notícia de que o Santos teria mandado cortar refeições no Centro de Treinamento do clube. A mudança teria acontecido no retorno aos trabalhos para a temporada 2023.

Segundo a publicação, por ordem da gerência administrativa, o café da manhã dos funcionários foi restringido e houve uma separação onde a refeição dos jogadores fica separada do restante dos funcionários.

Leia também:

Além de comerem mais cedo, os trabalhadores tem a disposição apenas pão, leite e manteiga.

Após a repercussão da notícia, o Santos divulgou uma nota oficial explicando os motivos para a mudança na rotina do local de treinamento do clube e falou em uma adequação nos horários para atender cronogramas diferentes dentro da rotina do local.

“Não houve intenção de economia, muito menos crise interna. Apenas ajustes nos horários para um melhor fluxo para jogadores, que têm cronogramas específicos de treinos e nutrição”, diz a nota.

Segundo informações do clube ao portal ge, as regras para uso do refeitório do CT Rei Pelé já mudaram diversas vezes.

Tanto que em 2013, ainda no mandato do presidente Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro, o Laor, só jogadores do elenco e membros da comissão técnica podiam comer o que era preparado no refeitório do centro de treinamento Rei Pelé.

Mas nos últimos anos, todos os funcionários que trabalham no local de treinos do clube voltaram a se alimentar junto com os membros do departamento de futebol. Por isso o retorno ao trabalho com regras diferentes causou estranheza nos colaboradores santistas.

“Os jogadores realmente têm um horário diferenciado de alimentação e têm suplementação individualizada, conforme sua carga necessária”, seguiu informando a nota.