Entenda o que é 'PIB' e como ele interfere na vida dos brasileiros

Economia brasileira

Após a divulgação do principal indicador do desempenho da economia brasileira, o presidente Jair Bolsonaro, questionado sobre o fraco resultado de 1,1% do Produto Interno Bruto (PIB), indagou a jornalistas: "PIB? O que é PIB?". Para esclarecer a dúvida, o Extra ouviu especialistas sobre o assunto.

De acordo com definição do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)— responsável pelo cálculo do indicador—, o PIB é a soma de todos os bens e serviços finais produzidos por um país, estado ou cidade, geralmente em um ano. Ou seja, é uma medida ampla que inclui do pãozinho até o apartamento de luxo. O PIB é a medida mais usada parar ver o desempenho de uma economia, é a principal referência se um país está crescendo e se vai gerar emprego e renda. É a medida da riqueza de uma nação.

O PIB, explica o IBGE, mede apenas os bens e serviços finais para evitar dupla contagem. Se um país produz R$ 100 de trigo, R$ 200 de farinha de trigo e R$ 300 de pão, por exemplo, seu PIB será de R$ 300, pois os valores da farinha e do trigo já estão embutidos no valor do pão.

Os bens e serviços finais que compõem o PIB são calculados no preço em que chegam ao consumidor. Dessa forma, levam em consideração também os impostos sobre os produtos comercializados. O primeiro fator que influencia diretamente a variação do PIB é o consumo da população.

Consumo e investimentos

Quanto mais as pessoas gastam, mais o PIB cresce. Se o consumo é menor, o PIB cai. O consumo depende dos salários e dos juros. Se as pessoas ganham mais e pagam menos juros nas prestações, o consumo é maior e o PIB cresce. Com salário baixo e juro alto, o gasto pessoal cai e o PIB também. Os investimentos das empresas também influenciam no PIB. Se as empresas crescem, compram máquinas, expandem atividades, contratam trabalhadores, elas movimentam a economia.

Ricardo Teixeira, coordenador do MBA em Gestão Financeira da FGV, explica que o indicador de crescimento da economia também é usado como referência para projetar o comportamento por exemplo do mercado de trabalho e geração de emprego 

— Quando o PIB não cresce e tem estagnação, há uma pressão no mercado de trabalho porque sem geração de valores e de produção as empresas não contratam e não vai ter geração de emprego — observa Teixeira.

Embora esteja presente no senso comum, o PIB não é o total da riqueza existente em um país. De acordo com o instituto, este é um equívoco muito comum, pois dá a sensação de que o PIB seria um estoque de valor que existe na economia, como uma espécie de tesouro nacional.

Na realidade, o PIB é um indicador de fluxo de novos bens e serviços finais produzidos durante um período. Se um país não produzir nada em um ano, o seu PIB será nulo.

O PIB é, contudo, apenas um indicador síntese de uma economia. Ele ajuda a compreender um país, mas não expressa importantes fatores, como distribuição de renda, qualidade de vida, educação e saúde. Um país tanto pode ter um PIB pequeno e ostentar um altíssimo padrão de vida, como registrar um PIB alto e apresentar um padrão de vida relativamente baixo.

Envie denúncias, informações, vídeos e imagens para o WhatsApp do Extra (21 99644 1263)