Entenda o que é sensação térmica e como ela é calculada

GABRIEL ALVES
**arquivo** RIO DE JANEIRO,RJ - 16/12/2019 - Vista da Barra da Tijuca. (Foto: Julia Barbon/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Nem sempre olhar a temperatura que os termômetros marcam ajuda a saber se vamos passar calor ou frio ao sair de casa. A chamada sensação térmica é um índice que foi criado para representar como uma pessoa sente na prática.

Uma das maneiras de calcular esse índice é levando em conta a umidade. Quando o tempo está quente e demasiadamente úmido, a sensação térmica é maior do que o termômetro marca. Se a umidade é baixa, a sensação térmica vai na mesma direção.

Segundo a calculadora do serviço de nacional de previsão do tempo dos EUA, se a temperatura do ar estiver em 42°C e a umidade em 38%, a sensação térmica será de 52°C. Algo parecido com o que foi registrado no Rio de Janeiro no dia 11 de janeiro de 2020. A exposição direta ao sol pode aumentar em alguns graus a sensação.

Caso a umidade estivesse em 20% (nível considerado baixo), a sensação térmica seria de 42°C mesmo. Se a umidade fosse de 0, a sensação térmica seria de 36°C.

O mecanismo empregado pelo corpo humano para se resfriar e manter a temperatura constante, perto dos 36,5°C, é pelo suor. A questão é que com a umidade ambiente elevada o suor tem dificuldade para evaporar --e é justamente fornecendo calor par essa evaporação que o corpo se resfria.

Claro que se trata de uma estimativa. A depender do organismo (mais ou menos gordura corporal, tamanho, características metabólicas, uso remédios, gravidez etc) e da vestimenta essa sensação pode ser afetada. 

Mesmo assim o índice pode ser um bom indicativo de risco de saúde. O organismo pode pifar se exposto a atividades físicas continuadas quando a sensação térmica é elevada. Entre os riscos estão o de desmaio, insolação e desidratação. O alerta já vale para quando a sensação térmica é de 27°C e o perigo é iminente quando ela passa dos 52°C, de acordo com o serviço do governo americano.

Outro fator que pode ser importante nessa conta é o vento, especialmente em temperaturas mais frias. É como se o movimento do ar roubasse calor do corpo (o que em física é chamado de perda por convecção). Quanto mais vento, mais calor se perde. Mesmo no nosso verão o raciocínio faz sentido: nada pior do que aquele lugar quente e abafado sem nem um ventinho sequer para dar um alívio.

No site do Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia), há uma calculadora que permite explorar o efeito do vento na temperatura. Se a temperatura do ar está em 20°C, um vento de velocidade 5 metros por segundo (18 km/h), já baixaria a sensação térmica em 6°C, para 14°C.