Entenda por que a CIA monitora o bitcoin há uma década

Marcus Couto
CIA monitora bitcoin há uma década. (Foto: Getty Images)
CIA monitora bitcoin há uma década. (Foto: Getty Images)
  • Agência de espionagem americana sabe da existência da criptomoeda há 10 anos.

  • Um dos fundadores da tecnologia deu palestra na agência em 2011.

  • Ele falou sobre a palestra abertamente para evitar teorias da conspiração.

O desenvolvedor de software Gavin Andressen, um dos membros originais da comunidade que criou o bitcoin, revelou em um fórum online dedicado a conversas sobre o desenvolvimento da plataforma, em 2011, que ele foi pago pela Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos, a CIA, para dar uma palestra sobre a nascente tecnologia de criptomoedas naquele ano.

O bitcoin foi criado e revelado ao mundo dois anos antes, em 2009. 

Leia também:

Segundo o desenvolvedor, isso significava que a agência já tinha o bitcoin no seu radar desde 2011, ou seja há 10 anos.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Na época, ele afirmou ter recebido cerca de US$3 mil para custear a sua viagem e o tempo dedicado à apresentação do material.

Andressen disse que resolveu falar abertamente sobre o assunto para evitar o surgimento de teorias da conspiração que pudessem sugerir que a agência de espionagem estaria envolvida na criação do bitcoin, rumor que circula até hoje.

A CIA é conhecida por ser uma das maiores agências de espionagem do mundo, atuante fora das fronteiras dos Estados Unidos, no mundo todo.

A agência investe pesadamente em novas formas de tecnologia que possam ser utilizadas em suas missões e objetivos de inteligência. Portanto, dominar e compreender o funcionamento de uma inovação emergente de troca de valores em uma rede descentralizada e anônima, com alto poder de ruptura de padrões, seria de extrema importância – ainda mais considerando a sua rápida expansão, que segue até hoje, a todo vapor.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube