Entidade apresenta ao novo ministro da Previdência Social as principais demandas de servidores do INSS. Veja quais

Representantes da Federação Nacional dos Sindicatos de Trabalhadores em Saúde, Trabalho, Previdência e Assistência Social (Fenasps) apresentaram ao novo ministro da Previdência Social, Carlos Lupi, as reivindicações mais sensíveis aos servidores do INSS. O documento foi entregue pessoalmente ao titular da pasta na segunda-feira (dia 9), logo após a posse do ministro.

Entre os pontos apresentados, estão a constituição imediata do Comitê Gestor da Carreira do Seguro Social, conforme lei de 2016 que regulamentou o acordo de greve deflagrada pelos servidores em 2015; ter o nível superior completo como pré-requisito para ingresso de novos técnicos do seguro social; o reajuste salarial conforme acordo de greve de 2022; e o reconhecimento da estrutura de seguridade social como uma carreira típica de Estado.

Dirigentes da Fenasps também reiteraram, durante o encontro, a defasagem salarial de servidores do órgão — segundo eles, muitos recebem abaixo do salário mínimo, podendo chegar a vencimentos 20% inferiores ao mínimo nacional de 2023, de R$ 1.320. Eles ressaltam ainda o alto nível de vacância dentro do órgão.

Cálculos da federação apontam que há um déficit de 23 mil servidores o que, por sua vez, comprometeria as condições de trabalho de cada funcionário, com alguns chegando a expedientes de 15 horas. Também houve destaque, entre as propostas, para honrar com os termos definidos durante a greve de 2022.

Em resposta às propostas trazidas pelos servidores, a Fenasps informou que Lupi se colocou como parceiro para encontrar soluções para os problemas enfrentados pelo INSS e seus servidores, e que ele se mostrou “sensível” às pautas apresentadas e propôs a realização de reuniões periódicas com representantes da entidade para debater o avanço das pautas. O segundo encontro com o ministro da Previdência Social deve ocorrer nos próximos 15 dias.