Entidades de agentes da PRF criticam Bolsonaro por 'manter o silêncio' e dificultar a 'pacificação do país'

A Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (FenaPRF) divulgou em seu site, nesta terça-feira, uma nota em que tece críticas à postura do presidente Jair Bolsonaro (PL) em meio ao bloqueio de estradas por caminhoneiros em centenas de pontos do país. Para a entidade, ao "manter o silêncio e não reconhecer o resultado das urnas", o chefe do Executivo "acaba dificultando a pacificação do país". Bolsonaro ainda não se manifestou desde que a votação do último domingo deu a vitória a Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Ao vivo: Bolsonaro faz pronunciamento após derrota, acompanhe as notícias dos bloqueios nas estradas e a repercussão política

MPF: saiba em quais crimes os caminhoneiros que bloqueiam rodovias podem ser enquadrados

"A Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (FenaPRF) e os Sindicatos dos Policiais Rodoviários Federais de todo o Brasil reafirmam o compromisso com o Estado Democrático de Direito. O resultado das eleições de 2022 expressa a vontade da maioria da população e deve ser respeitado", inicia o texto. A nota prossegue: "A postura do atual presidente da República, Jair Bolsonaro, em manter o silêncio e não reconhecer o resultado das urnas acaba dificultando a pacificação do país, estimulando uma parte de seus seguidores a adotarem ações de bloqueios nas estradas brasileiras".

Fecombustíveis: postos já ficam sem combustíveis em alguns locais de Minas Gerais, Pará, Brasília, Goiânia e Rio Grande do Sul

A entidade afirma, porém, que, "apesar disso", os agentes "seguem trabalhando diuturnamente para o restabelecimento do direito de ir e vir da população". "Importa frisar que compete exclusivamente à gestão do Departamento de Polícia Rodoviária Federal providenciar e disponibilizar os meios e a organização do efetivo necessários para dar cumprimento à desobstrução das rodovias federais", continua a FenaPRF.

Em seguida, o órgão questionou também o comportamento da direção da Polícia Rodoviária Federal (PRF). Na noite desta segunda-feira, o ministro Alexandre de Moraes, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), determinou que as autoridades agissem de imediato para efetuar o desbloqueio das estradas, sob risco de afastamento do cargo e até prisão do diretor-geral da PRF, Silvinei Vasques, pelos crimes de desobediência e omissão. A decisão foi referendada pelo plenário do Supremo Tribunal Federal (STF).

"Nesse sentido, o sistema sindical dos PRFs segue cobrando uma postura firme da direção do DPRF, para prover os meios necessários para que a corporação cumpra suas funções constitucionais, garantindo assim o direito de ir e vir da população e resguardando a segurança e integridade dos policiais", pontuou a FenaPRF.

"A Polícia Rodoviária Federal é um patrimônio da sociedade e seguirá firme na defesa da democracia, do respeito às leis e às decisões judiciais", conclui a nota do órgão.