Entidades da Zona Leste de SP vão ao Ministério Público para pedir hospital de campanha na região

Ana Letícia Leão
Diferença na pandemia - Sérgio Lima, lider comunitário em Itaquera, Zona Leste de SP: Falta acesso a testes e hospitais na periferia

SÃO PAULO - Entidades e associações de moradores da Zona Leste da cidade de São Paulo protocolaram uma representação no Ministério Público do estado, nesta sexta-feira, pedindo ajuda para que a autoridades de saúde melhorem o atendimento a vítimas do coronavírus na região. Eles pedem a construção de um hospital de campanha na região.Entenda:Covid-19 é mais letal em regiões de periferia no BrasilNo documento enviado à promotoria, os representantes alegam que hospitais de campanha foram erguidos em regiões de São Paulo com menor demanda de Covid-19, em detrimento da Zona Leste, um dos locais com maior número de registros da doença, além de uma população próxima de 4 milhões de pessoas - um terço de toda a população da capital.Bairros da periferia da Zona Leste como Itaim Paulista e São Miguel Paulista, ambos entre os locais com menor Índice de Desenvolvimento Humano na cidade, apresentam maior taxa de mortalidade por Covid na faixa entre 40 e 44 anos. Em outro extremo, Pinheiros e Vila Mariana apresentam os menores índices.Segundo Maria Lúcia Lima, uma das responsáveis pelo ofício e presidente da Associação de Moradores, Colaboradores e Amigos da Ponte Rasa e Adjacências, os três hospitais da região que atendem exclusivamente pelo SUS já entraram em colapso, o que significa que as taxas de ocupação de Unidades de Terapia Intensiva chegaram a 100%.- No Hospital Municipal Tide Setúbal, estão montando UTIs improvisadas, mas não tem régua de oxigênio, não tem água quente. Eles vão montando montando esses leitos malucos dentro dos hospitais, sem tomada, sem nada direito. - Hoje uma funcionária me disse: 'Você não tem noção do nosso desespero. Você não consegue nem caminhar na sala de observação (para pacientes adultos). As pessoas que estão em observação estão ao lado dos pacientes com Covid-19 - afirma.Mais: Cidade de São Paulo tem hospitais com UTIs lotadas; Zona Leste sofre mais pressão Os representantes foram ao Ministério Público para chamar a atenção do poder público para que espaços ociosos sejam transformados em hospitais de campanha. Um outro documento ja havia sido enviado aos secretários municipal e estadual de saúde alertando sobre a situação da Zona Leste, disse Maria Lúcia, mas não houve retorno. Segundo ela, uma sugestão seria utilizar o imóvel do Hospital Menino Jesus, em Ermelino Matarazzo, adquirido pela prefeitura em 2015, que segue desativado. - Ele está totalmente abandonado. Eu ajudei a construir, desde o piso ao laboratório. Tem tudo para fazer lá um hospital de campanha, é a nossa saída. Não vejo outra solução. Acho que mais de 100 pessoas poderiam ser atendidas logo de cara, se fossem montados os leitos.

Hospitais de campanha

Há quatro hospitais de campanha montados para atender vítimas de coronavírus em São Paulo atualmente, sendo dois administrados pela prefeitura e dois pelo governo estadual. São eles: Hospital Municipal de Campanha do Pacaembu, na Zona Oeste; Hospital Municipal de Campanha do Anhembi, na Zona Norte; Hospital de Campanha do Ibirapuera e o Hospital de Campanha no AME Barradas, em Heliópolis, na Zona Sul. Todos estão localizados a mais de 30 km de Cidade Tiradentes, por exemplo, um dos distritos da Zona Leste com o maior número de casos e óbitos por Covid-19.Márcia Aparecida de Freitas, presidente do Instituto dos Advogados da Zona Leste de São Paulo, questiona os critérios de escolha dos locais dos hospitais de campanha em São Paulo. - Por que instalar um hospital no Pacaembu, e não no Corinthians, por exemplo? O Corinthians disponibilizou seu estádio para hospital de campanha. O fato é que, em geral, o poder público não se lembra que existe uma região de São Paulo com população maior do que a de alguns países e que é esta a região carente que necessita de muita atenção por parte dos governantes.Para Maria Lúcia, a localização atual dos hospitais de campanha em São Paulo dificultam muito o atendimento a vítimas da Covid-19 na Zona Leste por causa da distância. - Toda vez que você mexe com paciente que está entubado, você está colocando a vida dele em risco. Andar 20 ou 30 quilômetros para chegar a outro hospital não é fácil. Se fosse por aqui, seria 1,5 quilômetro, mais fácil. Vai ter uma hora que vamos olhar para dois pacientes, e o que for mais velho vai morrer. O juramentro sagrado de salvar vidas, vamos ter de esquecer. Vou salvar o que a situação permite - lamenta. Autoridades de saúde de São Paulo já afirmaram diversas vezes que os hospitais mais cheios de São Paulo estão na Zona Leste da capital. Para o secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido, a região é a que possui a maior "pressão por atendimento a vítimas fatais da Covid-19". Em coletiva de imprensa, o prefeito Bruno Covas anunciou a entrega de 380 respiradores para São Paulo até este domingo, sendo que os 48 primeiros irão para hospitais da Zona Leste.