Entidades e políticos pedem justiça após morte de mulher grávida em ação policial no Rio

·4 minuto de leitura
Kathlen Romeu, de 24 anos, que estava grávida de 14 semanas, foi baleada e socorrida, mas não resistiu. (Foto: Reprodução/Instagram)
Kathlen Romeu, de 24 anos, que estava grávida de 14 semanas, foi baleada e socorrida, mas não resistiu. (Foto: Reprodução/Instagram)
  • Kathlen Romeu foi morta após ser atingida por tiros em ação policial no Rio

  • Entidades e políticos revoltaram-se e foram às redes sociais pedir justiça

  • A jovem de 24 anos estava grávida de 14 meses

A morte da jovem Kathlen Romeu em uma ação policial no Rio de Janeiro, na última terça-feira, revoltou entidades e políticos. Foram muitos os pedidos de justiça após a mulher de 24 anos, grávida de quatro meses, ser atingida por tiros em uma comunidade no bairro Lins de Vasconcelos, Zona Norte da cidade.

Entidades que lutam por igualdade racial e social, movimentos negros e diversos políticos utilizaram as redes sociais para manifestarem-se. O Instituto Marielle Franco, que leva o nome da vereadora morta a tiros em 2018, afirmou que “o Estado retirou mais uma vida negra e favelada”.

Leia também

“Matam nossos filhos, matam nossas mães! Kathlen Romeu, moradora do complexo do Lins e grávida de 13 semanas, foi fuzilada durante uma operação policial hoje. O Estado retirou mais uma vida negra e favelada que estava gestando outra vida. Investigação urgente!”, pediu. “Até quando? Até quando vão justificar o injustificável? Até quando vão transformam vidas negras em descartáveis? Dor e revolta.”

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

A ONG Coalizão Negra por Direitos também utilizou as redes sociais para cobrar Justiça. O movimento pediu que o governo do Rio de Janeiro e o comando da Polícia Militar no estado sejam responsabilizados pela morte de Kathlen.

“É inaceitável a política de segurança pública genocida do Rio de Janeiro que hoje fez mais uma vítima, Kathlen Romeu, mulher negra de 24 anos, grávida de 4 meses, baleada durante uma operação da Polícia Militar, na comunidade do Lins, zona norte da capital. A política de morte do RJ, alinhada ao governo Bolsonaro, mantém em curso o genocídio do povo negro no Brasil”, afirmou.

O deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ) foi na mesma linha e acusou a “política de segurança pública insana, brutal e ineficaz” de “tirara vida de inocentes”.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

“As mortes de Kathlen e de seu bebê são o atestado de óbito do RJ. Não reduziremos a violência colocando uma mulher grávida na linha de tiro. Não conseguiremos enfrentar o crime organizado com ações irresponsáveis que levam terror e morte para os moradores das favelas”, argumentou.

Manuela D’Avila, também do PSOL, questionou “quantas vidas negras iremos perder até essa guerra acabar?”. Vereadora mais votada do Brasil em 2020, Erika Hilton (PSOL-SP) denunciou o “projeto assassino de morte do nosso povo negro, pobre, favelado”.

Kathlen havia anunciado a gravidez no início do mês - Foto: Reprodução/Instagram
Kathlen havia anunciado a gravidez no início do mês - Foto: Reprodução/Instagram

O vereador Eduardo Suplicy (PT-SP) criticou a “irresponsabilidade da chamada ‘guerra às drogas’” e considerou que “podemos mais assistir esse tipo de violência”. Já a deputada federal Sâmia Bomfim (PSOL-SP) pediu “justiça por Kathlen Romeu”.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Morte aconteceu em ação policial

Designer de interiores, Kathlen foi alvejada durante uma ação da polícia na comunidade. Ela chegou a ser levada para o Hospital municipal Salgado Filho, no Méier, mas não resistiu. Moradores da região organizaram um protesto momentos mais tarde em Jacarepaguá.

A avó da jovem contou que estava indo com a neta ao trabalho da filha quando foram surpreendidas pelo tiroteio. Em sua última postagem nas redes sociais, Kathlen compartilhou um vídeo no qual segurava a própria barriga, acompanhado da legenda “bom dia, neném”.

Estou me descobrindo como mãe e fico assustada pensando como vai ser..dou risada, choro e tenho medo. Um misto de sentimentos. Talvez os mais doidos do mundo, mas vou dar risada lá na frente disso tudo..obrigada senhor por abençoar meu ventre e me permitir gerar o AMOR DA MINHA VIDA”, escreveu ela no Instagram ao anunciar a própria gravidez a semana passada.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos