Entre frustração e festas, Miami vive aglomerações durante a pandemia

Leila MACOR
·2 minuto de leitura
Pessoas dançando em Ocean Drive em Miami Beach

Quando as praias de Miami Beach estavam lotadas no ano passado, muitos se horrorizaram de ver tanta insensatez enquanto o coronavírus começava a se alastrar pelos Estados Unidos e o mundo. Agora o país volta a apontar o dedo para o sul da Flórida e aos turistas.

Todo mês de março, durante as férias de primavera, milhares de pessoas vão para esta ilha barreira em Miami para festejar a vida como se não houvesse amanhã. Neste ano, o número foi ainda maior depois de um ano de depressão, isolamento e restrições.

"Temos que começar a viver", diz James Mitchell, de 45 anos e que acaba de chegar de Chicago.

Durante a noite, as pessoas dançam 'twerk' nos tetos dos carros, protagonizam confrontos com a polícia e praticam tudo menos a distância social, em uma espécie de "loucos anos 20" nos anos que antecedem a pós-pandemia.

Com 21,7% da população com pelo menos uma dose aplicada da vacina nos Estados Unidos, a população respira ares festivos, mas muitos alertam que a pandemia ainda não acabou.

Esther, de 33 anos, está "horrorizada" porque ainda teme se contagiar com a covid-19. "É uma vergonha como está tudo lotado", diz esta moradora de Miami Beach que não quis fornecer seu sobrenome.

A ilha de apenas 92.000 habitantes atrai 200.000 visitantes e trabalhadores todos os dias, de acordo com seu prefeito Dan Gelber.

"Temos 12 km de praias bonitas, temos hotéis que são muito seguros e grandes quantidades de restaurantes ao ar livre, mas não queremos uma multidão para a qual tudo vale", alertou ele na segunda-feira.

- Fenômeno -

Muitos dos que passaram meses confinados em outros estados estão se mudando para a Flórida, porque lá as normas sanitárias são mais suaves e o clima mais agradável.

Misteriosamente, a Flórida não registrou mais mortes de coronavírus do que os outros estados que se mantiveram fechados com chave.

É o estado número 27 de 50 em quantidade de mortos de covid a cada 100.000 habitantes, com 150 óbitos, muito abaixo de Nova York, por exemplo, que é o segundo com 252, de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins.

"É um verdadeiro fenômeno", disse à AFP Amesh Adalja, professor da Escola de Saúde Pública Bloomberg desta universidade. "Está claro que a Flórida está muito melhor do que todos estimamos que estivesse".

Esse "fenômeno" pode ter a ver com o clima que favorece as saídas ao ar livre, explica ele. Ou pode ser o fato de que nos estados onde as medidas são muito restritivas, ocorrem reuniões clandestinas que acabam sendo mais perigosas porque acontecem em residências privadas e fechadas.

lm/ll/aa