Entregador de 18 anos é morto a tiros na Zona Norte e família suspeita de rivalidade entre bate-bolas

O entregador Ryan do Nascimento da Silva Santos, de 18 anos, morreu após ser alvo de tiros em Bento Ribeiro, na Zona Norte do Rio, na noite do último domingo. De acordo com a Polícia Militar, na ocasião, agentes foram acionados para uma ocorrência de tentativa de homicídio no bairro. Já a Polícia Civil informa que a Delegacia de Homicídios da Capital (DHC) está à frente do caso e que diligências estão em andamento para esclarecer a motivação e a autoria do crime. A suspeita da família é que o jovem tenha sido alvo devido à rivalidade de grupo de bate-bolas.

Prateleiras esvaziadas: Grupo de idosos dá prejuízo de R$ 70 mil à farmácia furtada na Zona Norte do Rio; veja vídeo

Orochi: Seguranças do rapper, presos por porte ilegal de arma, são alvos de investigação da PM

— Por volta das 19h, meu irmão saiu para trabalhar e fazer as entregas. Quando ele ia chamar (o cliente), na Rua Andaluzia, vieram dez motos, cada uma com alguém na garupa, e gritaram: "É ele!". Foi quando ele se assustou e correu, mas foi alvejado — explica Roberto Nascimento Junior, irmão de Ryan.

Roberto conta que a família tinha passado a tarde de domingo reunida em um churrasco em casa, também no bairro de Bento Ribeiro. Ryan era entregador de lanches, junto a um amigo, que pilotava a moto, enquanto o jovem viajava na garupa.

Ele diz que, quando os homens chegaram, ainda deixaram claro que o alvo era o seu irmão:

— "É ele! Não o da frente, é o de trás". Meu irmão era super tranquilo, o negócio dele era internet, mulherada, bebida. Confusão e briga nunca passaram na mente dele. Todo mundo gostava dele.

Em Bento Ribeiro, após a morte, amigos de Ryan se reuniram e fizeram uma corrente de oração.

Obras do BRT se arrastam: Estações do Transbrasil são alvo de furtos e viram até moradia

'Meus pais falavam que era perigoso'

A suspeita da família é que Ryan tenha sido abordado por um grupo de bate-bolas de um bairro vizinho.

— Tem um bloco que sempre sai fazendo baderna, batendo nos outros. Eles sempre saem para arrumar confusão, vêm para o nosso bairro e, quem eles veem aqui e acham que saiu na turma (de bate-bolas de Bento Ribeiro), querem bater, acham que são os donos da cidade. Mas meu irmão não fazia parte de grupo de bate-bola. Saiu uma única vez, em 2019, e só porque ganhou (a fantasia), porque todo mundo gostava dele. Se fosse pela minha mãe e pelo meu pai, nunca ia sair. Eles não gostavam. Sempre falavam que isso era perigoso — conclui Roberto.

Segundo a Polícia Militar, agentes do 9° BPM (Rocha Miranda) foram acionados para uma "ocorrência de tentativa de homicídio" no domingo, e que os policias foram informados "que um homem veio a óbito após ser vítima de disparos de arma de fogo". A corporação informa, ainda, que não há registro de operação policial em Bento Ribeiro no momento em que a vítima foi atingida.

Ele foi levado para o Hospital estadual Carlos Chagas, em Marechal Hermes, e, segundo a Secretaria estadual de Saúde, seu corpo foi encaminhado para o Instituto Medíco-Legal (IML) no próprio domingo.

Já a Polícia Civil explica que Ryan foi baleado, socorrido, mas que não resistiu. Até o momento, o pai da vítima já foi ouvido e diligências estão em andamento para que se esclareça a autoria e a motivação do crime.

O velório do entregador está marcado para a tarde desta terça-feira, no Cemitério de Ricardo de Albuquerque, às 13h30.

*Colaborou Raquel Pereira