Entregadores de comida de aplicativos lutam por direitos trabalhistas em Paris

No domingo, 1º de maio, é comemorado o Dia do Trabalhador, um dos feriados mais importantes do calendário francês. Para a ocasião, a RFI foi às ruas de Paris para ver as condições em que trabalham os entregadores de alimentos online. Apesar do fato de que em vários países os motoristas de entregas ganharam batalhas judiciais, a situação na capital francesa ainda é sombria para muitos destes profissionais.

"Chegamos pela manhã e vamos para as áreas onde há muitos restaurantes, conectamo-nos à plataforma e esperamos por um pedido", diz um marfinense de 23 anos que prefere não dizer seu nome à RFI.

São dez horas da manhã no bairro central de Sentier, onde há uma grande atividade tanto em escritórios como em bares e restaurantes. O jovem, que está em Paris há três anos e que se vira há um ano e meio como motorista de entregas, trabalha para a plataforma Uber com uma bicicleta alugada pela qual paga € 109 (cerca de R$ 500) por mês. Ele só descansa quando está doente, diz. Ele não tem contrato, nem seguridade social ou direito a férias.

"Eu faço cerca de dez ou doze pedidos por dia, depende, alguns dias eu faço apenas um". Recebo dois euros, três, cinco, dependendo das distâncias. Quando são oito quilômetros, são seis euros. Com isso eu ganho € 700 ou € 800 por mês", calcula o jovem marfinense enquanto mantém um olho no telefone para ver se ele tem uma nova corrida.

Ele também reclama que sofreu muito racismo e que não é o único. "Há pessoas que nos tratam muito mal e se você reclamar, eles lhe dão uma má marca na plataforma e depois o tiram do sistema", lamenta.

A luta dos entregadores no tribunal contra as plataformas


Leia mais

Leia também:
Inflação acelera, PIB estagna e Macron enfrentará cobrança nas ruas no Dia do Trabalhador
Mais de 100 mil celebram Dia do Trabalho com quase 300 manifestações na França

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos