'As pessoas precisam ser céticas', diz Bettina Rudolph um ano após virar meme

Bettina Rudolph. Foto: Divulgação / Empiricus

Há um ano, a vida de Bettina Rudolph mudou completamente. Foi em março de 2019 que um vídeo protagonizado pela jovem paulista de 22 anos viralizou, virou meme e transformou a copywriter da Empiricus em uma das maiores influenciadoras de finanças do Brasil.

Bettina ficou famosa com o comercial da Empiricus em que dizia ter transformado R$ 1.500 em R$ 1 milhão em apenas três anos. O crescimento exponencial chamou a atenção, rendeu piadas e críticas, investigações da Comissão de Valores Imobiliários (CVM) e multa do Procon.

Leia também

A polêmica, porém, se mostrou uma oportunidade. A Empiricus pediu desculpas e fechou um acordo milionário com a CVM. Bettina se tornou “a cara” da empresa nas redes sociais, a ponto de ganhar um canal próprio no YouTube, apresentar um curso de finanças e alcançar, hoje, quase 400 mil seguidores no Instagram.

"O comercial que viralizou me trouxe um poder de alcance maior e me permitiu transmitir minhas mensagens e ensinamentos para mais pessoas", diz Bettina em uma entrevista exclusiva. "Levar esse conhecimento adiante é algo que me motiva muito."

O Yahoo! Finanças começa a publicar nesta quarta-feira (3) uma série de entrevistas com influenciadores e influenciadoras do mundo das finanças pessoais na internet brasileira. Nesta primeira conversa, Bettina fala sobre a educação financeira, o mercado de youtubers de finanças e sobre como ela investe seu dinheiro.

Leia a seguir.

Yahoo: Você e a Empiricus ficaram mais conhecidas por conta daquele famoso vídeo do “1 milhão com 22 anos”. Em que momento você percebeu que essa visibilidade era uma oportunidade para levar educação financeira às pessoas?

Bettina Rudolph: Educar as pessoas sobre investimentos sempre foi a minha intenção - e o principal propósito que me levou para a Empiricus. Comecei a trabalhar na empresa justamente para poder mudar não apenas a minha vida financeira, mas a de muitas pessoas. O comercial que viralizou me trouxe um poder de alcance maior e me permitiu transmitir minhas mensagens e ensinamentos para mais pessoas. Na época do vídeo, quem foi mais a fundo e se informou conseguiu pegar uma subida da bolsa de 85 para 115 mil pontos - e ganhou muito dinheiro em menos de um ano.

Hoje, além de meu canal no Youtube e perfil no Instagram com 400 mil seguidores, tenho também “A Sua Jornada Milionária” - um curso para iniciantes, disponível na plataforma da Empiricus com um preço acessível, que aborda finanças pessoais, as principais classes de ativos e a alocação ideal do seu portfólio de investimentos.  Em menos de 1 ano, o curso já formou 8 mil pessoas. Levar esse conhecimento adiante é algo que me motiva muito.

Muitos youtubers e influenciadores ficam famosos com receitas e fórmulas mágicas para “ficar rico”. O que você acha desse tipo de conteúdo na internet?

Não existe fórmula milagrosa, mas existe uma fórmula transformadora para melhorar o seu potencial financeiro. Como não temos no Brasil uma cultura de educação financeira, muitos brasileiros se fecham ao pensamento de que precisam trabalhar o resto da vida pra ter algum dinheiro e ponto final. Outros entram de cabeça na primeira oportunidade que enxergam sem avaliar bem os riscos.

Não vejo como algo negativo o excesso de cursos e de pessoas querendo empreender na internet. O tempo é capaz de fazer uma espécie de seleção natural, permitindo vida longa apenas a quem for capaz de entregar um conteúdo de qualidade e com resultados. As pessoas precisam ser céticas e entender quem está por trás dos conteúdos que encontram. No meu caso, tudo fica muito claro, pois eu represento a Empiricus.

Para você, qual é o principal desafio, o que é mais difícil na hora de produzir conteúdo sobre finanças?

O maior desafio é conseguir dialogar com os diferentes sentimentos das pessoas sobre investimentos. Conseguir encontrar aquele equilíbrio entre quem quer dinheiro a curto prazo e quem quer ficar fechado no mundinho da poupança. Outro desafio igualmente importante é a conscientização da importância da alocação de portfólio. Poucas pessoas falam sobre isso no Brasil.  Vejo que existe uma obsessividade pela busca da resposta sobre qual é o melhor investimento no momento, quando, na verdade, a pergunta mais importante é: como meu patrimônio deveria estar distribuído e diversificado?

Alguns analistas acreditam que o boom de investidores na bolsa brasileira no último ano tem relação com dicas de youtubers. Você concorda? Se sim, acha que a maioria deles têm consciência da responsabilidade que eles têm de influenciar os investimentos das pessoas?

Entendo que o aumento dos youtubers é a consequência e não a causa do boom de investidores na bolsa brasileira. Esse aumento está ligado a fatores de mercado, especialmente a retomada econômica e o ciclo de juros cada vez mais baixos. De qualquer forma, o trabalho dos influenciadores é muito importante, mas enxergo que ainda são poucos os que fazem educação financeira de uma maneira responsável. Como disse, o tempo se encarregará de mostrar quem são os mais sustentáveis e responsáveis, especialmente nos momentos de oscilação do mercado.  

Para muitos brasileiros, educação financeira se resume a dicas no YouTube e nas redes sociais. Para você, o Estado e empresas do setor deveriam também se preocupar e se encarregar da educação financeira das pessoas?

Todos deveriam se preocupar com a educação financeira. Mas ninguém vai se preocupar mais com a sua vida financeira do que você mesmo. Não adianta colocar a culpa no governo ou no sistema educacional. Todos devem ter a consciência, buscar informações e fazer o possível para aumentar o seu potencial financeiro. Não há dúvida alguma de que o acesso hoje é muito mais fácil. 

Agora, um bate-bola. Como você investe o seu dinheiro?

Tenho um portfólio bastante diversificado, que busca se expor ao momento bom e se proteger do momento ruim. Em termos práticos, hoje meu dinheiro se encontra dividido entre renda fixa, com foco em reserva de emergência e juros longos; uma parte significativa em bolsa e pequenas fatias em proteções, como dólar e ouro; e um percentual pequeno em investimentos fora do país. 

Um livro que você recomenda?

"Pai rico, pai pobre" [de Robert Kiyosaki].

Uma música, álbum ou artista que te inspira?

[A banda] Pink Floyd.

Um filme?

Não sei se tenho um filme preferido, mas recentemente assisti a "Beleza Oculta" e gostei muito!

Um influencer que você acompanha e recomenda?

Sigo e admiro os principais influenciadores que se dedicam a acompanhar educação financeira, mas quando estou nas redes sociais gosto mesmo de acompanhar meus amigos e familiares.

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook e Twitter e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.