Epicentro da Covid na China muda para Guangzhou em meio a aumento de casos no país

Fila para teste de Covid em Pequim

Por Ryan Woo

PEQUIM (Reuters) - Houve aumento de novos casos de coronavírus em Guangzhou e em outras cidades chinesas, mostraram dados oficiais nesta terça-feira, com o centro manufatureiro global se tornando o mais recente epicentro da Covid-19 na China e testando a capacidade da cidade de evitar um lockdown ao estilo de Xangai.

Em todo o país, novas infecções transmitidas localmente subiram para 7.475 em 7 de novembro, de acordo com a autoridade de saúde da China, ante 5.496 no dia anterior, no maior número desde 1º de maio. Guangzhou foi responsável por quase um terço das novas infecções.

O aumento foi modesto para os padrões globais, mas significativo para a China, onde os surtos precisam ser rapidamente combatidos quando surgirem sob sua política de zero-Covid. Cidades economicamente vitais, incluindo a capital Pequim, estão exigindo mais testes de PCR para moradores e fechando bairros e até distritos em alguns casos.

O novo surto testará a capacidade da China de manter suas medidas de Covid direcionadas, e pode diminuir as esperanças dos investidores de que a segunda maior economia do mundo possa aliviar restrições em breve.

"Estamos vendo um jogo entre vozes crescentes para afrouxar os controles e a rápida disseminação de casos de Covid", disse Nie Wen, economista do Hwabao Trust em Xangai.

A crescente taxa de casos derrubou os mercados de ações da China nesta terça-feira, mas as ações ainda não entregaram os grandes ganhos da semana passada.