Equador relata dezenas de pessoas presas e apreensão de explosivos após ataques à polícia

QUITO (Reuters) - A polícia do Equador prendeu 28 pessoas após uma série de ataques a policiais em duas cidades do país e apreendeu milhares de explosivos e dinamites, informou o governo equatoriano nesta quarta-feira.

O presidente do Equador, Guillermo Lasso, declarou estado de emergência e toque de recolher de 45 dias em duas províncias na terça-feira, depois que mais de 18 ataques, incluindo tiroteios e explosões, foram relatados em Guayaquil e Esmeraldas, deixando cinco policiais mortos e quatro feridos.

A polícia disse que foram registrados mais dois ataques na noite de terça-feira contra uma unidade policial e um centro de saúde.

"Planejamos uma série de operações para salvaguardar a paz e a tranquilidade de todos os equatorianos que desejam trabalhar e prosperar", disse Lasso em comunicado. "Eles não vão nos intimidar, eles terão uma resposta para suas ações."

Lasso tem acusado repetidamente os traficantes de usarem a violência – inclusive dentro das prisões – em retaliação aos esforços de seu governo para combatê-los. O Equador é usado como ponto de trânsito de drogas com destino à Europa e aos Estados Unidos.

Enquanto isso, a polícia da província de El Oro, no sul do Equador, parou um caminhão que transportava 16.416 explosivos, 1.200 dinamites e 150 mil cápsulas detonantes vindas de uma fábrica no Peru, informou o Ministério do Interior em comunicado.

As autoridades disseram que os ataques e tiroteios policiais ocorreram devido à transferência de centenas de prisioneiros da Penitenciaria de Guayaquil, a prisão mais violenta do Equador, para outros centros de detenção na tentativa de reduzir a superlotação e melhorar as condições dos detentos.

(Reportagem de Alexandra Valencia)