Equador tem financiamento para reserva de Galápagos ainda aberto a títulos azuis, diz ministro

Tartaruga nada junto de turista na Reserva Marinha de Galápagos

Por Alexandra Valencia

QUITO (Reuters) - O Equador garantiu 150 milhões de dólares em financiamento para administrar sua reserva marinha expandida em torno do arquipélago de Galápagos, mas continua aberto a títulos azuis para beneficiar a área ambientalmente sensível, disse o ministro do Meio Ambiente do país, Gustavo Manrique, nesta sexta-feira.

O país sul-americano ampliou no ano passado a reserva marinha em 60.000 quilômetros quadrados, além dos 138.000 quilômetros quadrados já existentes, para proteger espécies migratórias ameaçadas entre Galápagos e a Ilha Cocos, na Costa Rica.

O plano do governo equatoriano para financiar a expansão da reserva Hermandad incluía uma possível troca de dívida por natureza, mas a nação andina ainda não finalizou o acordo.

“Em Lisboa, Portugal, assinamos 150 milhões de dólares em contribuições de agências privadas e multilaterais que devem ser investidas nos próximos cinco anos para a proteção da reserva marinha de Hermandad", disse Manrique em entrevista por telefone à Reuters.

“Os títulos azuis são sempre uma opção nesses mecanismos de financiamento”, disse.

Os formuladores de políticas econômicas do país disseram que o acordo seria finalizado ainda este ano, mas os planos podem ser atrapalhados por uma iniciativa de impeachment contra o presidente Guillermo Lasso por parlamentares da oposição, o que pode resultar em sua censura ou destituição do cargo.

O Equador também anunciou recentemente a criação de uma reserva marinha de oito milhas náuticas ao longo de sua costa continental para proteger espécies como a baleia jubarte, raias manta, tubarões e quatro das sete espécies de tartarugas marinhas do mundo.

(Reportagem de Alexandra Valencia)