Equipe de transição coloca 'terceira via' à porta do Planalto, como 'mercado' queria

Brazil's former President (2003-2010) and presidential candidate for the leftist Workers Party (PT), Luiz Inacio Lula da Silva (C), looks at his vice presidential candidate Geraldo Alckmin (R), shaking hands with former presidential candidate Simone Tebet (MDB) during a press conference in Sao Paulo, Brazil, on October 7, 2022. (Photo by NELSON ALMEIDA / AFP) (Photo by NELSON ALMEIDA/AFP via Getty Images)
Lula entre Simone Tebet e Geraldo Alckmin durante evento de campanha. Foto: Nelson Almeid/AFP) (via Getty Images)

Geraldo Alckmin era o candidato favorito do mercado nas eleições presidenciais de 2018.

Em 2022, parte da Faria Lima e da chamada grande imprensa torceu até onde deu pela viabilidade de um nome da chamada terceira via. João Doria e Eduardo Leite, do PSDB, ficaram pelo caminho.

Quem atravessou o Rubicão foi Simone Tebet (MDB), que se destacou nos debates e obteve cerca de 5% dos votos. Pouco, mas o suficiente para garantir apoio importante ao candidato do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, a quem declarou apoio no segundo turno.

A cena seguinte dispensa, ao menos em parte, um exercício de imaginação caso a tal terceira via tivesse se viabilizado, com Tebet, Doria ou Leite, a ponto de desbancar os favoritos Lula e Jair Bolsonaro (PL) na disputa.

A transição de governo hoje é comandada por Geraldo Alckmin, vice-presidente eleito após deixar o PSDB e migrar para o PSB.

Sua equipe será composta pelos economistas Pérsio Arida e André Lara Resende, idealizadores do Plano Real que possivelmente estariam no mesmo barco do ex-governador paulista se ele tivesse vencido a disputa em 2018.

Durante a transição eles terão a companhia de Floriano Pesaro, ex-tucano e ex-secretário do governo Alckmin em São Paulo, escolhido como coordenador-executivo do gabinete, e de Simone Tebet, responsável pela área social.

O médico infectologista David Uip, ex-secretário de Saúde de João Doria durante a pandemia e um dos principais combatentes dos discursos negacionistas do período, também foi convidado a compor a equipe, mas declinou por razões familiares.

Uip seria um nome certo de um eventual governo tucano, caso o PSDB tivesse chegado com mais força tanto em 2018 como em 2022.

Os nomes e acenos feitos durante a transição permitem concluir que, com Lula, a terceira via finalmente chegou ao Planalto – ou perto dele, já que os trabalhos são realizados em um centro cultural da capital não muito longe da sede do governo.

Pelas indicações, é provável imaginar que os quadros convocados para os trabalhos de transição permaneçam em Brasília para compor a equipe do presidente eleito – se não nos ministerios, como peças-chave de outros escalões.

Com eles estarão até o fim de ano nomes historicamente ligados ao PT como os ex-ministros Nelson Barbosa (Fazenda) e Aloizio Mercadante (Casa Civil). Ambos são economistas de orientações distintas dos colegas de trabalho, num choque que pode resultar em impasse ou consensos entre ideários liberais e desenvolvimentistas.

O choque de ideias foi uma das marcas do primeiro governo Lula, em que um ministro da Agricultura como Roberto Rodrigues se sentava à mesma mesa de Marina Silva, uma defensora do meio ambiente, em busca de denominadores comuns entre a proteção da floresta e a expansão do agronegócio.

Nos primeiros dias de trabalho, Alckmin mostrou a que veio: servir como algodão no meio dos cristais e amortecer os choques inevitáveis entre detratores do PT e os que votaram no candidato do partido por falta de opção.

É ele quem tem tomado a dianteira nas conversas com os remanescentes do governo Bolsonaro, com quem já se encontrou.

Em uma das reuniões, segundo noticiou a Folha de S.Paulo, ele teria ouvido do presidente um pedido de ajuda para salvar o Brasil do comunismo — que bolsonaristas veem representado na figura do companheiro de chapa.

Aparentemente fez o que faz sempre: sorriu e desconversou.

Depois foi anunciar a equipe com aquele tom monocórdico que só a velha política sabe adotar. Quem estava com saudade não está mais.