Equipe de Doria faz boletim de ocorrência por suspeita de invasão hacker em grupo de Whatsapp

·1 min de leitura

SÃO PAULO — A troca de acusações nas prévias do PSDB rendeu mais um capítulo nesta quarta-feira (27). A equipe que trabalha na campanha do governador de São Paulo João Doria registrou um boletim de ocorrência na Polícia Civil pedindo uma investigação sobre suposta invasão de conversas no grupo de WhatsApp de integrantes da campanha.

O caso foi direcionado para a Delegacia de Crimes Cibernéticos. Registrado pelo coordenador da campanha, Wilson Pedroso por volta das 17h, o documento relata que a equipe recebeu, de alguém que não faz parte do grupo, trechos de conversas tidas ali.

"Embora o teor das conversas divulgadas ilegalmente nada tenham de comprometedor, lamenta-se que, no ambiente, online episódios como esses sejam recorrentes e devem ser combatidos em sua origem", afirmou a coordenação das prévias de Doria, por nota.

O grupo de WhatsApp é formado por 16 pessoas para debater estratégias e planejar ações das prévias. Em nota, Pedroso lamentou que "as prévias tenham chegado a um clima tão belicoso" e disse ter compromisso com "eleições limpas, democráticas e que se ganhe no voto".

Na semana passada, a denúncia que movimentou as prévias do PSDB havia sido feita por aliados do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite. O grupo acusava aliados de Doria de fraudarem a data de filiação de 92 prefeitos e vice-prefeitos para que eles possam votar nas prévias. A campanha de Doria nega que tenha ocorrido fraude.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos