Milhares de russos celebram terceiro aniversário da anexação da Crimeia

Moscou, 18 mar (EFE).- Dezenas de milhares de russos celebram neste sábado por todo o país o terceiro aniversário da anexação da Crimeia, que passou a fazer parte da Rússia após uma invasão militar russa, embora a comunidade internacional não a reconheça.

Um grupo de 11 deputados da Duma de Estado viajou à península para participar das celebrações por ocasião da "reunificação", que é como chamam no país a anexação ao argumentar que a Crimeia pertenceu à Rússia até 1954, quando foi "dada" à então também soviética Ucrânia.

"Em nossos corações e nossas mentes, a Crimeia sempre foi parte da Rússia", disse antes de viajar o vice-presidente da câmara baixa do parlamento russo, Aleksandr Zhukov.

Os eventos da chamada "primavera russa", quando as forças especiais russas ocuparam a península por ordem do chefe do Kremlin, Vladimir Putin, serão celebrados em toda Rússia durante muitos anos, acrescentou o deputado.

Desde a distante península de Kamchatka, no litoral do Pacífico russo, até Kaliningrado, enclave russo em plena União Europeia, milhares de cidadãos lembraram um acontecimento que abriu uma nova época na Rússia, chamada o "consenso da Crimeia".

A anexação do território disparou a popularidade do presidente russo e condenou ao ostracismo uma incipiente oposição cidadã que protagonizou, entre 2011 e 2012, os maiores protestos antigovernamentais desde a década de 90.

Em 18 de março de 2014, Putin assinou a anexação da Crimeia durante uma cerimônia oficial no Kremlin, uma decisão que foi condenada unanimemente pelo Ocidente e que levou à adoção de sanções econômicas internacionais contra a Rússia.

A anexação dessa península banhada pelo Mar Negro e que fazia parte da Ucrânia, aconteceu após meses de revoltas nesse país que levaram à mudança de poder em Kiev, e após uma intervenção militar russa na Crimeia e um referendo considerado ilegal pela comunidade internacional.EFE