'Era como um campo de concentração': ucranianos relatam medo após serem detidos por russos ao fugir de Mariupol

·6 min de leitura
Olena e Oleksandr
Olena e Oleksandr na relativa segurança de Lviv, depois de escapar de Mariupol

"Você não pode imaginar como as condições eram horríveis."

Oleksandr e Olena são dois dos poucos civis que recentemente conseguiram escapar de Mariupol, que agora está quase sob total controle russo após semanas de bombardeio.

A cidade está efetivamente isolada do mundo, e as informações sobre o que está acontecendo no interior são difíceis de confirmar de forma independente.

Mas os dois, e outros cidadãos, deram relatos assustadores da vida nos chamados "campos de triagem" da Rússia, montados nos arredores de Mariupol para abrigar civis antes de serem evacuados.

Oleksandr e Olena, falando da cidade ocidental de Lviv, considerada relativamente segura, dizem que acabaram em um dos centros quando tentaram escapar da cidade.

Depois de caminhar de sua casa até um ponto de evacuação, eles foram levados para um centro de refugiados russo em uma antiga escola na vila de Nikolske, a noroeste de Mariupol.

"Era como um verdadeiro campo de concentração", diz Oleksandr, de 49 anos. Os centros foram comparados por oficiais ucranianos aos usados durante a guerra da Rússia na Chechênia, quando milhares de chechenos foram brutalmente interrogados e muitos desapareceram.

Oleksandr e Olena tiveram suas impressões digitais copiadas, foram fotografados de todos os lados e interrogados por várias horas por oficiais de segurança russos. "Como em uma prisão", diz ele.

Eles temiam que os russos olhassem seus telefones e, por isso, limparam todas as evidências de seus dispositivos de qualquer coisa relacionada à Ucrânia - incluindo fotos de sua filha em frente a uma bandeira ucraniana.

Eles estavam certos em se preocupar. Oleksandr diz que, durante o interrogatório, oficiais de segurança russos examinaram fotografias, histórico de chamadas telefônicas e números de contato em seus dispositivos em busca de ligações com jornalistas ou oficiais do governo e militares.

"Se uma pessoa era suspeita de ser um 'nazista ucraniano', eles a levavam para Donetsk para investigação ou assassinato", diz Oleksandr, embora a BBC não tenha conseguido verificar essa alegação.

"Era muito perigoso e arriscado. Qualquer dúvida, qualquer resistência - e eles podem levá-lo aos porões para interrogatório e tortura. Todo mundo estava com medo de ser levado para Donetsk."

O presidente russo, Vladimir Putin, afirmou que um dos objetivos de sua invasão é limpar a Ucrânia dos nazistas, e a propaganda russa fez inúmeras alegações infundadas de que a Ucrânia está de alguma forma alinhada com o nazismo.

Eventualmente, o par foi detido e colocado em uma lista para evacuação. Mas a provação não parou por aí.

Uma fuga secreta

Os idosos dormiam em corredores sem colchões ou cobertores, diz Olena. Havia apenas um vaso sanitário e uma pia para milhares de pessoas. A disenteria logo começou a se espalhar. "Não havia como lavar ou limpar", diz ela. "O cheiro era extremamente horrível."

Sabão e desinfetante acabaram no segundo dia em que estiveram lá. Logo, também, papel higiênico e absorventes.

Olena e Oleksandr foram informados de que tinham permissão para sair no 148º ônibus de evacuação. Mas uma semana depois, apenas 20 ônibus deixaram a instalação.

Em contrapartida, havia muitos ônibus organizados para ir ao território russo. As autoridades até tentaram forçar o casal a entrar em um ônibus indo para o leste, dizem eles. No final, Olena e Oleksandr se sentiram compelidos a procurar a ajuda de motoristas particulares, que eles temiam que pudessem ser russos ou colaboradores.

"Não tivemos escolha - ser deportados à força para a Rússia ou arriscar com esses motoristas particulares", diz Olena.

É um dilema que o prefeito de Mariupol, Vadym Boychenko, reconhece. "Muitos ônibus de civis vão para o território russo, não ucraniano", disse ele à BBC, por telefone. "Desde o início da guerra, [os russos] não permitiram qualquer forma de evacuar civis. É uma ordem militar direta para matar civis", afirmou.

Oleksandr e o motorista de Olena conseguiram levá-los de seu campo de triagem para a cidade ocupada pelos russos de Berdyansk - por meio de "campos, estradas de terra, caminhos estreitos atrás de todos os postos de controle", diz Olena, porque eles não tinham os documentos adequados para passar uma inspeção russa.

Eles então passaram três dias procurando uma rota antes de encontrar outro motorista que estava disposto a arriscar tudo para levá-los ao território controlado pela Ucrânia. Ele conseguiu contornar 12 postos de controle russos e entregá-los com segurança a Zaporizhzhia. O casal então pegou um trem noturno para Lviv.

"Você só pode escapar dos campos de triagem usando esses arriscados motoristas particulares locais", diz Oleksandr. "Felizmente, há boas pessoas entre eles."

Acampamentos como 'guetos'

Chegando em Lviv no mesmo dia estavam Valentyna e seu marido Evgeniy. Eles também conseguiram fugir de Mariupol na semana passada. O casal estava embarcando em um ônibus para uma cidade menor no oeste da Ucrânia - desesperados por segurança após sua provação.

A situação em Mariupol, disseram eles, tornou-se terrível. Os que ficaram sobreviviam abrigando-se em um porão, vivendo de conservas, um punhado de batatas que cultivavam em seu jardim e água retirada da caldeira.

Evgeniy e Valentyna
Evgeniy e Valentyna conseguiram sobreviver escondendo-se no porão

O processo de triagem foi rápido para eles, diz Valentyna, 58, talvez por causa da idade e porque Evgeniy tem uma deficiência. Mas era muito pior para os mais jovens, disse ela.

"Os campos de triagem são como guetos", diz ela. "Os russos dividem as pessoas em grupos. Aqueles que eram suspeitos de ter ligações com o exército ucraniano, defesa territorial, jornalistas, funcionários do governo, estavam em maior risco. Eles levam essas pessoas para prisões em Donetsk, torturam-nas."

Ela e Evgeniy também dizem que muitos foram enviados dos campos de triagem para a Rússia. Às vezes, as pessoas eram informadas de que estavam destinadas ao território controlado pela Ucrânia, afirmam eles, e em seguida eram levadas para o território controlado pela Rússia.

Assim como Oleksandr e Olena, Valentyna diz que foi apenas por causa do motorista que conseguiram escapar.

"Quando finalmente (escapamos) e vimos os combatentes ucranianos e a bandeira, quando ouvimos a língua ucraniana, todos no ônibus começaram a chorar", disse ela. "É simplesmente inacreditável que continuamos vivos e finalmente fugimos do inferno."

Ambos os casais escaparam agora de Mariupol, uma cidade que se tornou um símbolo da resistência e do sofrimento da Ucrânia após a invasão russa. Agora eles enfrentam um futuro incerto - apenas quatro dos 11 milhões de ucranianos deslocados pelo conflito.

"A cidade não existe mais", diz Valentyna. "Até paredes. Agora são apenas enormes pilhas de ruínas. Eu nunca poderia imaginar tanta violência."

Sabia que a BBC está também no Telegram? Inscreva-se no canal.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos