Erasmo Carlos voltou para o hospital no mesmo dia em que recebeu alta; cantor não gostava de falar de doenças publicamente

O cantor e compositor Erasmo Carlos morreu na última terça-feira, aos 81 anos, depois de passar 20 dias internado no hospital Barra D'Or, na Zona Oeste do Rio de Janeiro. No entanto, essa internação ocorreu no mesmo dia em que recebeu alta, quando esteve por mais 16 no mesmo local.

A causa da morte foi uma "paniculite complicada por sepse de origem cutânea", uma inflamação da camada de gordura que fica abaixo da pele. Ele ainda teve uma síndrome edemigênica, inchaço por excesso de líquido que pode ter sido provocado pelo funcionamento irregular de algum órgão.

O cantor, no entanto, nunca gostou de falar de doenças. No último ano, prestes a completar 80 anos, ele contou ao EXTRA que havia se curado de um câncer no fígado, que tratava por quatro anos e só tinha contado para amigos próximos, e explicou o motivo do segredo.

— Minha vida é muito discreta. Já fui deslumbrado, não sou mais. Experiência e sabedoria vão vindo com a idade. Anuncio agora, porque estou bom. É hora de falar com alegria. Não gosto de tristeza na minha vida, não — disse Erasmo, na ocasião.

Em seu histórico médico recente, Erasmo ainda contraiu Covid-19 em agosto do ano passado. Ele estava com as duas doses de vacina e vinha tomando todos os cuidados, segundo nota divulgada para a imprensa. O cantor foi internado, mas passou bem pela doença.

Antes desses problemas de saúde, Erasmo ainda enfrentou outro câncer, há 20 anos, na garganta. Com tratamento adequado, ele se curou também sem falar muito sobre o assunto.