Pária? O que explica a pressão pela demissão de Ernesto Araújo?

Matheus Pichonelli
·5 minuto de leitura
Brazil's Foreign Minister Ernesto Araujo  attends an International Seminar of Brazilian Foreign Policy in Brasilia, Brazil November 21, 2019.REUTERS/Adriano Machado
O ministro das Relações Exteriores Ernesto Araujo. Foto: Adriano Machado/Reuters

Uma das primeiras noções de diplomacia que aprendemos na infância é que não devemos cuspir para cima sob o risco de sermos alvejados na testa pela própria secreção salivar. Em outras palavras: cuidado com as palavras. Nunca sabemos quando vamos precisar nos retratar e oferecer bandeira branca a quem desprezamos.

Não é preciso procurar no YouTube as dez regras da boa conduta global para perceber o quanto a metralhadora escatológica de Ernesto Araújo e companhia disparou sem levar em conta a força da gravidade diplomática. Como Copérnico, Galileu Galilei, o pai da experimentação gravitacional, jamais integrou a cartilha bolsonarista.

Sob o governo do capitão, e sem as noções de física e boa vizinhança checadas, a cúpula do Itamaraty se converteu num rinoceronte pesado e sem pantufas numa sala de cristais chamada Chancelaria. Nessa sala de pé direito avantajado falta inteligência e sobram cusparadas.

O ministro das Relações Exteriores é a encarnação da luta contra o chamado climatismo, o globalismo e a ideologia de gênero —fantasmas da contemporaneidade para convencer o interlocutor a voltar a tempos pré-iluministas, quando a razão suplantou a fé na tomada de decisões.

Araújo, o nacionalista, não estava sozinho na cruzada. Fazia o que mandava o então líder da turma, Donald Trump, o fortão do fundo da sala que passou quatro anos distribuindo patadas em organismos multilaterais sob a égide do America First. O Brasil de Araujo quis brincar de cosplay sem ter a mesma musculatura. Hoje está de joelhos.

Da prova de Trump o governo brasileiro copiou a hostilidade contra a China, maior parceiro comercial dos produtores brasileiros e atacado em plena luz do dia pelo então ministro da Educação, Abraham Weintraub, e o filho 03 do presidente, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), a quem foi prometida a embaixada Washington.

Na briga, Araújo sempre ficou ao lado (ou abaixo) do cuspe.

Leia também:

Os ataques, com acusações de espionagem envolvendo tecnologia 5G, culpa pela pandemia e expressões xenófobas, estremeceram as relações com um dos países-chave para a produção e distribuição de insumos para todo tipo de produto da cadeia industrial. Inclusive a vacina, que só às portas dos 300 mil mortos na pandemia do coronavírus parece mobilizar os esforços do governo que, até outro dia, não sinalizava censuras aos seus integrantes e aliados estratégicos quando se referiam ao patógeno como “vírus chinês” — e ao imunizante produzido pelo Instituto Butantan em parceria com uma fabricante chinesa como “vachina”.

O próprio Jair Bolsonaro parecia confiante de que jamais precisaria tanto, para sobreviver politicamente, da vacina que tanto desprezou em lives, discursos e encontro com apoiadores, a quem mandava buscar imunizantes na casa da progenitora sempre que perguntado.

O isolamento diplomático do Brasil hoje é resultado da arrogância, e a arrogância é sempre resultado da autoestima descalibrada de quem se acredita superior ou da insegurança produzida pela própria ignorância. É implícito, ao ser humano, reagir com desprezo a tudo o que não entende. E, no imbróglio das vacinas e da construção de pontes com possíveis aliados, o governo Bolsonaro deu mais de uma prova de que tem a sabedoria e a habilidade de uma criança em fase oral e com a testa escarrada.

Araújo teve a cabeça pedida por senadores na mesma sessão em que um assessor presidencial juntou os dedos e fez um gesto, para as câmeras, com cara, cheiro e cor de uma insígnia supremacista —o que ele nega.

Pressionados pelos representantes do PIB, os parlamentares já identificam no chefe das Relações Exteriores um empecilho para destravar a boa vontade da comunidade internacional da qual nos isolamos. Um dos que hoje torcem o nariz para o país é a Índia, contrariada pelo Brasil nas discussões sobre a queda das patentes das vacinas, como defendia Nova Déli. Brasília preferiu ficar ao lado de Trump, contrário à proposta, mesmo sabendo que isso seria prejudicial aos próprios interesses. Hoje não há vacina para todos nem aliado prioritário na Casa Branca a quem socorrer.

Como pela força da gravidade, caiu em pouco tempo o discurso feito por Ernesto Araújo no fim de outubro de 2020, quando parecia nadar em autoestima e altivez ao negar alianças com “o cinismo interesseiro dos globalistas, dos corruptos e semicorruptos” de outros países. Era um petardo cheio de saliva em direção a organismos multilaterais, como a Organização Mundial da Saúde, prestes a cair, cinco meses depois, na testa de todos os brasileiros.

Araújo dizia na ocasião, uma formatura de novos diplomatas, que o Brasil falava de liberdades através do mundo e que, “se isso faz de nós um pária internacional, então que sejamos esse pária”.

Ele se gabava dos resultados de quem deixou de ser conviva dos banquetes de outras nações e chamava de “covidismo” o “aparato prescritivo, destinado a reformatar e controlar todas as relações sociais e econômicas do planeta”.

Como na música de Bob Dylan, Araújo e os lunáticos que o cercam já não falam tão alto nem parecem tão orgulhosos.

Nunca o país precisou de tantas pontes para atravessar uma crise. E nunca teve tanta bomba instalada em sua estrutura contaminada pela ideologia mais rasteira.

Por isso a presença de Araújo se tornou incômoda, um elemento tóxico que pode implodir o já sensível fio que mantém o apoio de Bolsonaro em pé no Congresso e no grosso do empresariado já aflito com a incapacidade de debelar a crise que esfaleça corpos e CNPJs.