Esboço de acordo climático da COP27 mantém limite de 1,5°C, mas deixa questões sem solução

COP27 no Egito

Por Katy Daigle e William James e Shadia Nasralla

SHARM EL-SHEIKH, Egito (Reuters) - O secretário-geral da Organização das Nações Unidas, António Guterres, insistiu aos governos de todo o mundo para "manter e cumprir" um forte acordo climático na cúpula COP27 no Egito nesta quinta-feira, enquanto os negociadores permanecem distantes em questões importantes um dia antes do prazo final para se chegar a um acordo.

A conferência de duas semanas na cidade litorânea de Sharm el-Sheikh é um teste da determinação global para combater as mudanças climáticas, enquanto governos de todo o mundo são atingidos por crises que vão desde uma guerra terrestre na Europa até custos de consumo altíssimos.

"As emissões globais estão em seu nível mais alto da história e aumentando. Os impactos climáticos estão dizimando economias e sociedades e crescendo. Sabemos o que precisamos fazer e temos as ferramentas e recursos para fazê-lo", disse Guterres na conferência.

"Estou aqui para apelar a todas as partes para enfrentar este momento e confrontar o maior desafio que a humanidade enfrenta. O mundo está assistindo e tem uma mensagem simples: resista e cumpra."

O primeiro esboço de um acordo que está sendo discutido na cúpula do clima COP27 no Egito manterá a meta de limitar o aquecimento global a 1,5 grau Celsius, mas deixa muitas das questões mais controversas nas negociações sem solução antes do prazo de sexta-feira.

O presidente da COP27 do Egito insistiu aos negociadores que superassem suas diferenças, enquanto os países pobres classificaram o esboço como pouco ambicioso por não abordar sua necessidade de dinheiro para lidar com os danos já causados por tempestades, secas e inundações gerados pelo clima.

"O tempo não está do nosso lado, vamos nos unir agora e entregar até sexta-feira", disse o presidente da COP27, Sameh Shoukry, em uma carta aos delegados publicada nesta quinta-feira.

O esboço de 20 páginas para um esperado acordo final repete a meta do Pacto Climático de Glasgow do ano passado de limitar o aquecimento a 1,5°C e "saúda" o fato de que os delegados começaram pela primeira vez discussões sobre o lançamento de um suposto fundo de perdas e danos para países devastados por impactos climáticos.

Destacando as frustrações com as negociações até agora, uma delegação formada por Reino Unido, União Europeia e Canadá se reuniu com o presidente da COP27 nesta quinta-feira para chamar a atenção para as lacunas nos atuais textos de negociação e expressar sua opinião de que as discussões não podem fracassar.

O presidente eleito do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, por sua vez, disse aos delegados na cúpula que se reunirá com Guterres para discutir como a ONU pode ser capacitada para tomar medidas mais fortes sobre a mudança climática e afirmou que as conferências não podem mais se limitar a discussões teóricas.

Países vulneráveis ao clima, incluindo pequenas nações insulares, apontaram que, embora o esboço do acordo mencione perdas e danos, ele não inclui detalhes para o lançamento de um fundo, uma demanda importante nas negociações que os delegados temem que possa impedir um acordo final.

Durante anos, os países ricos resistiram a um fundo de perdas e danos por medo de que isso pudesse abri-los para uma responsabilidade financeira sem fim por sua contribuição histórica para a mudança climática.

"Qualquer coisa menos do que estabelecer um fundo para perdas e danos nesta COP é uma traição às pessoas que estão trabalhando tão duro para limpar este ambiente e às pessoas que lutam pela humanidade", disse Molwyn Joseph, ministro do Meio Ambiente de Antígua e Barbuda.

O esboço também repete o pedido do acordo de Glasgow para que os países acelerem as medidas para a redução gradual do uso de energia a carvão, apesar de uma proposta da Índia e da União Europeia de expandir o requisito para todos os combustíveis fósseis.

O texto enfatiza "a importância de unir todos os esforços em todos os níveis para alcançar a meta de temperatura do Acordo de Paris de manter o aumento da temperatura média global bem abaixo de 2°C acima dos níveis pré-industriais e buscar esforços para limitar o aumento da temperatura a 1,5°C acima dos níveis pré-industriais".

As temperaturas já aumentaram 1,1°C e a projeção é de que ultrapassem 1,5°C sem cortes rápidos e profundos nas emissões nesta década.

(Reportagem adicional de Dominic Evans, Valerie Volcovici, Kate Abnett, Gloria Dickie, Aiden Lewis, e Simon Jessop)