Escândalo do Ceperj: presidente e vice pedem exoneração do cargo

O delegado Marcelo Domingues, presidente da Fundação Ceperj, e Luiz Carlos das Neves, vice-presidente do órgão, pediram exoneração de seus cargos. A publicação em Diário Oficial será feita na próxima segunda-feira. O Centro de Pesquisas é investigado pelos Ministérios Público do Rio e Eleitoral pela contratação de 27 mil pessoas em projetos sociais, que recebiam o pagamento na "boca do caixa".

Marcelo Domingues assumiu em meio às investigações e denúncias sobre a "folha secreta" do Ceperj. Ele é delegado da Polícia Civil há 8 anos e é graduado em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Rio (UFRJ) e em Direito pela Faculdade Ibmec. Ao todo, Domingues permaneceu cerca de três meses no cargo.

Já Luiz Carlos das Neves ocupou a vice-presidência por cerca de um mês. Ele é analista de controle externo no Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro e estava cedido pelo TCE ao Ceperj. Neves havia assumido o cargo no lugar de Marcello Coimbra Costa. Ele foi um dos denunciados pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), por corrupção passiva, e deixou o cargo em 8 de agosto. Segundo as investigações, ele recebeu de Ricardo Pires de Oliveira uma Mercedes-Benz como pagamento de propina por um dos contratos do Programa Esporte Presente do Governo do Estado. Oliveira também foi denunciado.