Escavação no Coliseu revela 'lanchinho' dos antigos romanos

Vista das masmorras do Coliseu
O Coliseu é uma das atrações turísticas mais populares da Itália

O público do Coliseu, a antiga arena de gladiadores de Roma, pode ter saboreado alguns petiscos, como azeitonas, frutas e nozes, descobriram arqueólogos.

Fragmentos de comida — como figos, uvas, cerejas, amoras, nozes e muito mais — foram descobertos durante uma escavação no sítio arqueológico.

Os arqueólogos também encontraram ossos de ursos e grandes felinos que provavelmente eram usados ​​nos espetáculos de caça na arena.

As descobertas foram feitas por arqueólogos que examinaram as redes de esgoto do monumento de 2 mil anos.

Relíquias como estas dão uma ideia da "experiência e dos hábitos de quem aqui vinha nos longos dias dedicados aos espetáculos", explica Alfonsina Russo, diretora do Parque Arqueológico do Coliseu.

Os pesquisadores dizem que ossos de ursos e leões provavelmente são provenientes de animais que foram forçados a lutar entre si e com os gladiadores para entretenimento do público.

Ossos de animais menores pertencentes a cachorros também foram encontrados.

O estudo começou em janeiro de 2021 e envolveu a limpeza de cerca de 70 metros da rede de drenagem e esgoto sob o Coliseu, que continua sendo um dos monumentos mais visitados da Itália.

Arquitetos e arqueólogos especializados usaram robôs para navegar no complexo sistema de drenagem da arena — ajudando na compreensão da vida cotidiana em Roma, assim como das suas antigas estruturas hidráulicas, disseram os pesquisadores.

O Coliseu foi o maior anfiteatro do império romano, caindo em desuso por volta de 523 d.C. Era famoso por ser palco de lutas de gladiadores e outros espetáculos públicos que atraíam dezenas de milhares de espectadores.

Moedas antigas também foram descobertas na escavação, incluindo 50 moedas de bronze que datam do final do período romano, por volta de 250-450 d.C — e uma moeda comemorativa de prata de cerca de 170-171 d.C., celebrando 10 anos do governo do imperador Marco Aurélio.

- Este texto foi publicado em https://www.bbc.com/portuguese/geral-63753917