Escola proíbe professores de serem vacinados em Miami, sob falsos argumentos

·2 minuto de leitura
As vacinas da Pfizer na mesa do Christine E. Lynn Rehabilitation Center em Miami, Flórida, em 15 de abril de 2021

Uma escola particular em Miami proibiu seus professores e outros funcionários de receber a vacina contra a covid-19, citando argumentos infundados e "impossíveis" de que o contato com pessoas vacinadas seria prejudicial para as crianças.

Leila Centner, cofundadora da escola Centner Academy em Miami, escreveu em uma carta a sua equipe que professores vacinados não serão permitidos ficar perto de crianças.

Para aqueles que não foram imunizados, exige que não o façam até o final do ano letivo.

"Houve relatos de pessoas não vacinadas sendo afetadas negativamente pela interação com pessoas que foram vacinadas", informou Centner, em uma alegação falsa de acordo com cientistas e refutada por vários verificadores de fatos.

"Não há evidências que sugiram que a vacina faça com que uma pessoa transmita o vírus SARS-CoV-2", disse Jamie Scott, professor emérito e ex-professor pesquisador em imunidade molecular na Simon Fraser University, no Canadá.

"É impossível, uma vez que todas as vacinas fazem as células produzirem apenas a proteína espicular e nenhum outro componente do vírus", explicou o especialista à AFP Fact Check, equipe de verificadores da AFP.

Leila Centner acrescenta em sua carta que "milhares" de ciclos menstruais foram afetados pela vacina e que ela causou um aumento de "366%" nos abortos, sobre os quais também não há evidências.

Para essa afirmação, a cofundadora da escola no bairro rico de Design District se baseou em um artigo publicado em um portal chamado The Daily Expose.

O veículo é categorizado como "conspiratório e pseudociência", pois publica "informações não verificadas nem sempre sustentadas por evidências", segundo o site mediabiasfactcheck.com, que monitora a seriedade e a confiabilidade da mídia.

AFP Fact Check também refutou esta última afirmação em fevereiro. "Nenhuma evidência indicou um aumento de abortos após as vacinas contra a covid-19 e nenhum padrão preocupante de notificação (de abortos) foi observado", disse um porta-voz do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

A escola particular, que leciona para o ensino fundamental e médio, já tinha uma política peculiar de vacinação antes da pandemia. Em seu site, informa que não é obrigatório que seus alunos sejam vacinados.

lm/gma/jc