Escolas estaduais de SP farão força-tarefa para ajudar aluno sobre ensino online

JULIANA FINARDI
·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - As escolas estaduais de São Paulo reabrem na próxima segunda-feira (1º) para atividades de acolhimento e reforço, além de uma verdadeira força-tarefa para sanar dúvidas e dar suporte aos alunos ingressantes na rede que ainda não se familiarizaram com as ferramentas de tecnologia disponíveis para o acesso ao ensino remoto. O subsecretário de Articulação Regional da Secretaria Estadual de Educação, Henrique Pimentel, disse que serão duas ações: disponibilizar suporte para os alunos que tiveram problemas para utilizar o sistema para aulas remotas e ensinar os novos ingressantes da rede, vindos de escolas municipais ou particulares, que nunca acessaram as ferramentas. Ou seja, quem durante o ano passado teve problemas com acesso ao conteúdo online, seja por dificuldade técnica ou falta de equipamento, deve procurar sua escola na próxima semana. Cada escola terá liberdade para organizar o atendimento das famílias e dos alunos de acordo com suas necessidades individuais e particularidades. Segundo Pimentel, o aplicativo Centro de Mídias da Educação de São Paulo, usado para o ensino remoto, ganhou mais robustez e novos recursos. "Teremos um quiz, um gerenciador de tarefas por meio do qual o professor poderá mandar atividades para os alunos e várias coisas que eram utilizadas em outras plataformas externas e poderão ser feitas dentro do próprio aplicativo. Quando o professor faz isso, não gasta a própria internet", diz. A manicure Cristina Santos da Silva, 30 anos, afirma que a tecnologia utilizada para as aulas remotas do filho Bernardo, no ano passado, deixou a desejar, principalmente no que diz respeito a solução de dúvidas. "Os meios de comunicação eram a TV, por meio da tele-aula, que também poderia ser acessada pelo YouTube. De qualquer forma, não existia nenhum suporte para dúvidas. O máximo que se podia fazer era entrar em contato com eles pelo chat e se por sorte alguém visse, responderia alguma coisa", disse a mãe. Bernardo tem 6 anos e cursou, em 2020, o 1º ano do ensino fundamental na Escola Estadual Prof. Antônio Branco Rodrigues Júnior, em Diadema (ABC). Pimentel afirma que os alunos que enfrentaram o mesmo problema de Bernardo agora poderão assistir às aulas online e posteriormente tirar as dúvidas com os próprios professores. "Eram muitas pessoas nos chats. Uma das coisas que melhoraram com as novas funcionalidades do aplicativo é isso, o aluno assiste à aula do centro de mídias e esclarece as dúvidas com seu professor diretamente no aplicativo. Melhorando isso e reduzindo a quantidade por turmas vai facilitar bastante a comunicação", disse. Em entrevista coletiva na última sexta-feira (22), o secretário estadual de Educação, Rossieli Soares, disse que foram investidos R$ 1,5 bilhão com equipamentos e tecnologia. "Compramos notebooks, tablets, computadores e chips para os alunos mais vulneráveis, e chips para os professores que começam a ser entregues já nesta próxima semana", afirmou. Pimentel esclareceu que os chips de internet serão entregues para os alunos mediante o compromisso de entrega das atividades e outros critérios que ainda estão sendo definidos. Os professores que estiverem impossibilitados de trabalhar presencialmente também poderão receber os chips.