Escolas estaduais de SP retomam aulas presenciais com merenda e acolhimento

CLAYTON FREITAS
·4 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A agente comunitária de saúde Ana Paula Santana Sousa, 36 anos, fez questão de acompanhar os dois filhos até a escola estadual Livio Xavier, no Itaim Paulista, no extremo da zona leste da cidade de São Paulo, nesta segunda-feira (1º), no início das atividades letivas de 2021, que, por enquanto, incluem apenas o acolhimento e fornecimento de merenda. "É como se fosse um treinamento. Traz mais segurança [a acolhida]", afirma a agente, que integra a linha de frente dos profissionais de saúde envolvidos no combate ao novo coronavírus e já está vacinada. Segundo explica a dirigente regional de ensino Leste 2, Geni Delmiro Soares, a acolhida consiste em passar informações aos estudantes sobre como eles devem se comportar dentro da sala de aula e áreas comuns do estabelecimento de ensino, além de fornecer merenda para aqueles que manifestaram interesse. "O objetivo é o de conversar, mostrar como está o ambiente em que eles vão ficar, dizer como devem se comportar na fila, no horário em que forem comer e quando estiverem no pátio. É uma recepção por parte da equipe escolar aos alunos e todos vão se ajudando", explica a dirigente. Cerca de 5.000 escolas da rede estadual reabriram suas portas, em especial para oferecer diariamente merenda aos 770 mil mais vulneráveis, segundo os registros do Bolsa Família e Cadastro Único. Esse número de alunos é o mesmo que integrou o programa Merenda em Casa no ano passado, que recebeu, durante nove meses, auxílio no valor de R$ 55 mensais para se alimentar. Esses estudantes podem fazer a refeição todos os dias. Para os demais, a merenda é garantida no dia em que eles estiverem na unidade cumprindo a sua vez no revezamento presencial. Pelas normas do comitê de combate ao coronavírus, toda vez que uma região estiver classificada dentro da fase vermelha ou laranja do Plano São Paulo, é obrigatório um revezamento que respeite um limite de até 35% no total de alunos na sala. Dos cerca de 1.500 matriculados na escola Livio Xavier, 45 foram nesta segunda para acolhimento e merenda. Procurada, a Secretaria Estadual de Educação não informou o total de alunos da rede que foram acolhidos e receberam as refeições ontem em todas as escolas estaduais. Nesta segunda, a diretora da unidade, Angela Fonseca, 43, recepcionou um pequeno grupo de alunos na sala de aula com a distribuição de máscaras descartáveis e uma mensagem de boas vindas. Nela, enfatizava a importância deles estarem ali e as medidas que foram adotadas para recebê-los. As cadeiras e carteiras foram sinalizadas para que ninguém fique próximo um do outro e repositórios de álcool em gel foram distribuídos em paredes dos corredores, perto das entradas das salas. Após a recepção, o grupo desceu até o pátio, onde marcas de "x" no chão indicavam a distância na fila para que todos recebessem a merenda. Após o lanche, uma equipe é responsável por realizar a higienização de superfícies de mesas e cadeiras. "Achei toda a estrutura de recepção muito boa. Antes eu tinha muito receio devido a tudo que está acontecendo pelo vírus. Mas o que eu vi aqui deu mais tranquilidade", afirma Marilu Soares Correa, de 38 anos, mãe de Gabriel, de 14. Ela acompanhou o filho, já que esse foi o primeiro contato do adolescente com a sua nova escola. Até o ano passado, ele estudava em outra unidade, próxima dali. Sobre a impressão a respeito da nova escola, Gabriel elogiou as dependências e disse que estava ansioso para voltar às aulas. "As salas são bem diferentes, os desenhos são bacanas e o que eu mais gostei foi o pátio", disse. Gabriel já está seguindo o perfil do Facebook da escola e já foi incluído no grupo de Whatsapp para saber qual será o dia que ele irá para a unidade ter aula presencial. Segundo explica a diretora Angela Fonseca, em salas que contam com 40 anos, o limite será de 14 estudantes de forma presencial. A sequência é definida pela ordem da lista de chamada, que segue o critério alfabético. Enquanto os 14 estudantes estiverem presencialmente na sala, os demais acompanham a aula ao vivo, em transmissão pela internet. Aqueles que não contarem com equipamentos suficientes para acompanhar ao vivo, online, poderão usar as dependências da escola para acompanhar as aulas.