Escolas particulares do Rio terão autonomia para decidir quando vão abrir, diz Paes

Luiz Ernesto Magalhães
·3 minuto de leitura

O novo decreto que prorrogou as medidas de restrição na cidade do Rio, publicado nesta sexta-feira pela prefeitura, liberou a abertura de escolas e creches públicas e privadas já a partir desta segunda-feira. De acordo com o prefeito Eduardo Paes, no entanto, as unidades privadas terão liberdade para decidir quando abrirão suas portas. No caso das unidades municipais, as aulas presenciais só voltarão na terça-feira.

- A rede municipal retornará para o ensino presencial na terça. Na segunda será de forma administrativa. As escolas que já tinham sido abertas desde a pré-escola até o segundo ano do ensino fundamental, seguindo o protocolo sanitário - explicou o secretário municipal de Educação, Renan Ferreirinha, nesta sexta-feira, em entrevista no Centro de Operações Rio.

Segundo o prefeito, o planejamento das próximos segmentos do ensino será definido nas próximas semanas. Até 24 de março, antes das medidas restritivas, foram abertas 419 escolas. Elas serão reabertas na semana que vem. A expectativa é chegar a 80% das turmas dentro dessas regras de segurança.

O prefeito Eduardo Paes disse ainda que foram liberados R$ 17 milhões para a aquisição de artigos. Ele, no entanto, disse que não pode garantir que todas as mais de 1500 unidades de ensino sejam abertas ainda neste semestre.

- A expectativa é que a maioria esteja aberta, mas temos 25 escolas que vão exigir intervenções. E já iniciamos obras em outras 25 - disse Ferreirinha. O prefeito do Rio, Eduardo Paes, afirmou nesta sexta-feira que vai criar um sistema inteligente para a verificação de laudos médicos de pessoas com comorbidades que pretendem tomar a vacina de Covid-19. Em entrevista coletiva no Centro de Operações Rio, ele explicou que o objetivo é evitar fraudes.

O Rio de Janeiro bateu um novo recorde de mortes por Covid-19 no estado. Dados divulgados pela Secretaria de Estado de Saúde (SES) mostram que o Rio registrou nesta quinta-feira, 1º de abril, 387 mortes por Coronavírus, o maior número durante desde que a pandemia se iniciou, em março de 2020. isso equivale, em média, a um óbito a cada quatro minutos. A marca negativa anterior aconteceu em 3 de junho do ano passado, com 324 mortes confirmadas.

Os prefeitos do Rio, Niterói, Maricá e Itaguaí apresentaram nesta quinta-feira, dia 1º, um calendário de vacinação único para seus respectivos municípios. A medida é uma tentativa de evitar deslocamentos de moradores entre essas cidades em busca de doses contra a Covid-19. Serão dois dias de vacinação para cada idade, começando no dia 26 de abril com pessoas de 59 anos. No dia 29 de maio, essa etapa da imunização será concluída com pessoas de 45 anos.

Além de pessoas com comorbidades e/ou deficiência permanente que tenham 45 anos ou mais, a fase da campanha de vacinação que vai de 26 de abril a 29 de maio nos municípios do Rio, Niterói, Maricá e Itaguaí contemplará quatro áreas profissionais para trabalhadores que estejam na ativa. No local de vacinação, será preciso mostrar o contracheque como forma de comprovação. Fazem parte deste grupo prioritário pessoas de 45 a 59 anos que atuem na saúde, educação, limpeza urbana e segurança. Quanto a este último, as profissões são explicitadas da seguinte maneira: policiais militares, policiais civis, bombeiros, guardas municipais e agentes penitenciários.

As comorbidades contempladas pelo Plano Nacional de Imunização (PNI) são diabetes mellitus; hipertensão arterial grave; doença pulmonar obstrutiva crônica; doença renal; doenças cardiovasculares e cerebrovasculares; anemia falciforme; câncer; obesidade grave; e indivíduos transplantados de órgão sólido. Nos locais de vacinação, será preciso apresentar atestado médico.