Escolas particulares de SP vão priorizar filhos de profissionais da saúde

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Sieeesp (Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino no Estado de São Paulo) afirmou nesta quinta-feira (11) que as escolas particulares vão priorizar filhos de funcionários da saúde e de pais que precisam sair para trabalhar. Mesmo com a expansão do coronavírus e com as restrições impostas na fase emergencial, o governo estadual, sob a gestão de João Doria (PSDB), permite que as escolas permaneçam abertas com 35% da sua capacidade. "Lugar de criança é na escola. Por isso, todo o esforço e sacrifício que pudermos fazer, faremos", disse o presidente do Sieeesp, Benjamin Ribeiro da Silva. "Estamos reforçando as recomendações às escolas para que atendam, prioritariamente, os alunos filhos de profissionais da Saúde, de pais que precisam trabalhar e não tem com quem deixar seus filhos, e crianças (até nove anos) que têm algum transtorno e necessitem de socialização", completou, em nota. O presidente do Sieeesp também disse que está sendo enviada uma circular para a rede de escolas particulares de ensino básico em todo o estado de São Paulo com essas recomendações. O Sieeesp é uma entidade patronal que representa 10 mil escolas. Juntos, esses colégios têm quase 2,3 milhões de alunos em todo o estado.