Escolas privadas retomam aulas presenciais de forma escalonada no Maranhão

KATNA BARAN
·3 minuto de leitura
BRASILIA, BRAZIL - JULY 31: A sanitation worker wearing PPE disinfects a classroom of a public school  amidst the coronavirus (COVID-19) pandemic at the Candangolância on July 21, 2020 in Brasilia. The government of the capital of Brazil intends to return to face-to-face classes in August as the country reports over 2.610,000 confirmed positive cases of Coronavirus and reports over 91,263 deaths. (Photo by Andressa Anholete/Getty Images)
(Foto: Getty Images)

CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) - Escolas da rede particular de ensino do Maranhão retomaram parte das aulas presenciais nesta segunda-feira (3). O retorno ocorreu cercado de medidas de prevenção ao novo coronavírus, com uso de máscaras e distanciamento entre as carteiras.

Voltaram às escolas apenas os alunos do 3º ano do ensino médio –os demais estudantes retornarão às atividades até o final do mês de forma escalonada.

Leia também

Baseado em regras do governo estadual, o Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Maranhão (Sinepe-MA) elaborou um protocolo de medidas sanitárias para os seus colégios associados. A entidade não soube informar, porém, quantas escolas ou alunos foram impactados pela medida. A gestão do governador Flávio Dino (PCdoB) também não confirmou a extensão do retorno.

"Nossa expectativa é a melhor possível, não temos até agora recebido nenhuma observação com relação a algum incidente que possa ter ocorrido no que diz respeito às instituições que iniciaram o retorno. Tivemos as melhores informações até agora", declarou Paulino Pereira, presidente do Sinepe-MA.

ESCALONAMENTO

Um decreto estadual do final de junho autorizou a retomada das aulas presenciais nas instituições privadas, seguindo uma ordem. Os cursos de graduação e pós-graduação seriam os primeiros a retornar suas atividades. Depois, unidades de ensino médio e, na sequência, estudantes da etapa fundamental 1 e 2. A educação infantil só deve voltar numa quarta fase. Por último, estão as instituições de idiomas e cursos complementares.

O documento prevê um retorno sequencial, das séries mais avançadas para as iniciais, por isso foram priorizadas as turmas das 3ª séries do nível médio. O governo impõe ainda escalonamento de horário de entrada e saída de turmas e redução da quantidade de estudantes por sala, para respeitar o distanciamento mínimo de 1,5 metro entre as carteiras.

Os espaços de uso comum –como restaurantes e lanchonetes–, precisam ter sinalização de distanciamento. Alunos e funcionários também serão submetidos à medição diária de temperatura. O decreto abre a possibilidade de "rodízio" de estudantes e professores circulando nas escolas. Por enquanto, atividades esportivas estão proibidas.

Já a rede pública estadual de ensino, que retornaria as atividades na próxima segunda-feira (10), teve o cronograma adiado. O governo voltou atrás após consultar estudantes do último ano do ensino médio e seus pais. A maioria deles se mostrou preocupada com a medida.

O Colégio Marista Araçagy foi um dos que receberam alunos do 3º do ensino médio em São José de Ribamar (32 km de São Luís) nesta segunda. A retomada gradual das aulas na unidade segue até 31 de agosto.

Na escola, o uso de máscaras é obrigatório e as temperaturas de técnicos, alunos e professores serão aferidas diariamente. A unidade também está equipada com álcool em gel em todas as salas. Pias ecológicas foram distribuídas nos pátios e áreas comuns para facilitar a lavagem das mãos.

O uso de ambientes comuns, como de bibliotecas, está restrito e os parquinhos e pátios serão utilizados com horários escalonados e higienizados diversas vezes ao dia. Os intervalos e recreios são intercalados, também como forma de evitar aglomerações.