Escolha de Baleia Rossi como candidato de Maia à presidência da Câmara aumenta pressão do MDB no Senado

Julia Lindner
·1 minuto de leitura
Editoria de Arte

BRASÍLIA — Enquanto a disputa pelo comando da Câmara definiu na última quarta-feira quem são os seus principais postulantes, o Senado vai virar o ano sem decidir os nomes que concorrerão à sucessão do presidente Davi Alcolumbre (DEM-AP). A escolha do presidente do MDB, deputado Baleia Rossi (SP), para disputar a presidência da Câmara aumentou a pressão para que o partido também escolha um nome para pleitear o comando do Senado.

A corrida entre os emedebistas começou a afunilar nos últimos dias, com o senador Eduardo Braga (MDB-AM) e a senadora Simone Tebet (MDB-MS) despontando entre os principais cotados ao posto, mas ainda longe de formar consenso. A divisão interna dá vantagem ao principal adversário do grupo, o senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), apoiado por Alcolumbre.

A eleição do Senado será em 1º de fevereiro. Vence a disputa quem reunir a maioria dos votos (41). Caso isso não aconteça, é feito um segundo turno, no qual vence o que tiver a maioria absoluta entre os presentes em plenário.

Leia: Veja a íntegra da matéria exclusiva para assinantes .