Escolha sua quentinha: comerciantes locais apostam no serviço de delivery

Luana Santiago
Lenaide Mota não estava familiarizada com delivery, mas adotou serviço após a quarentena

Lenaide Mota já estava na contagem regressiva para inaugurar sua primeira loja de comida baiana, no início de março, quando a pandemia do coronavírus chegou ao Brasil. Da noite para o dia, a chef de 47 anos precisou abrir mão do seu maior sonho por tempo indeterminado.

— Entrei em desespero quando tive que adiar o projeto do meu negócio, que já está todo arrumadinho. Nos primeiros 15 dias de quarentena, minha vida era comer e ficar deitada por não saber o que fazer — conta a cozinheira que, como muitos outros pequenos empreendedores de comida (veja abaixo uma lista), apostou na entrega em casa para dar a volta por cima: — Montei um delivery cheia de medo porque trabalhar com este modelo nunca foi a minha praia. Mas para onde sacudir, a baiana está indo (risos)!

O esquema de quentinhas também nunca foi o campo de atuação de Cristina da Silva, de 41 anos, apesar dos inúmeros pedidos de seus clientes para ela adotar o serviço.

— Sempre achei trabalhar com delivery mais difícil — explica a dona do trailer de espetinhos Kispeto, no Engenho de Dentro.

Sem poder abrir o foodtruck, Cristina transferiu a produção do saudoso churrasquinho para a cozinha de casa. Logo pela manhã, ela e a prima montam as refeições com a ajuda da filha de Cristina, de 9 anos.

— Minha caçula é muito prestativa. Quando ela me vê trabalhando, coloca a touca descartável e pergunta: “Mamãe, precisa de ajuda?” — derrete-se a empresária, que faz as entregas na parte da tarde pelos bairros vizinhos de Piedade, onde mora: — Atendo muito idosos que moram sozinhos. Por isso, redobro o cuidado ao encontrá-los e uso máscara e álcool gel o tempo todo.

Além de mudar o atendimento, a reinvenção do delivery aconteceu no cardápio. Afinal, quem está em casa quer comer bem e diferente.

— Percebi que as pessoas buscam comidas novas durante este período. Foi quando inventei o Macarrão Com Tudo Dentro: uma massa com vários acompanhamentos escolhidos pelo cliente — explica Priscila Medeiros, de 33 anos.

A moradora de Santíssimo, na Zona Oeste, trabalhava com quentinhas fitness congeladas. No entanto, com o início da quarentena, a maioria dos clientes parou de pedir por estarem trabalhando de casa e, consequentemente, optando por cozinhar:

— Tem sido um desafio, mas, felizmente, a resposta na minha região vem sendo positiva.

Confira abaixo uma lista de empreendedores locais que adotaram o serviço de delivery durante a quarentena:

Boemia Social Clube

Vai uma feijoada no fim de semana? No bar da Boemia Social Clube (3190-5979), na Vila da Penha, o prato individual da iguaria custa R$ 22,90. Diariamente, das 11h30 às 16h. Sex e sáb, das 18h30 às 22h. Entregas na região da Leopoldina (R$ 2).

Camarão na Quentinha

Como o nome adianta, o crustáceo reina na casa, que atende os bairros de Campo Grande, Inhoaíba, Cosmos e Paciência (taxa de entrega sob consulta) de quarta-feira a domingo. O estrogonofe com camarão custa a partir de R$ 16. WhatsApp: 98987-6706.

Chef Lenaide

A chef Lenaide Mota trabalha com as principais iguarias da Bahia, como porção de miniacarajés (R$ 39) e vatapá (R$ 20). O delivery funciona de terça a domingo, das 18h às 23h, para todo Rio no 2218-1524 ou 97013-1575 (WhatsApp).

Hare Sushi

Um pedacinho do Japão chega em casa pela gastronomia do Hare Sushi, que cobre Barra, Recreio, Vargens e Jacarepaguá. Os pratos custam a partir de R$ 11,50, e os pedidos, feitos pelo WhatsApp (99739-9834), saem sem taxa.

Kispeto

Os espetinhos (de R$ 5 a R$7) são para matar a saudade do churrasco! As entregas contemplam os bairros de Piedade, Engenho Novo, Cachambi e adjacências. Os pedidos são aceitos de quarta a domingo, das 11h às 18h, pelo 98055-1854.

Maurício Pizzas

Além das redondas, o estabelecimento que atende Belford Roxo e parte de Nova Iguaçu tem combos de hambúrgueres e petiscos (a partir de R$ 30). Os pedidos podem ser feitos diariamente, das 18h30 à meia-noite, pelo 99903-3852 (WhatsApp).

Monteiro’s Gourmet

Especializado no tradicional prato feito (R$ 12), o serviço entrega quentinhas nos bairros de Realengo e Sulacap, na Zona Oeste. Diariamente, das 11h30 às 15h. Os pedidos devem ser feitos pelo 97003-5874 (Whatsapp).

Penelop's Quentinhas

O cliente escolhe a massa, o molho, seis acompanhamentos e um queijo no prato que leva ainda carne ou frango (R$ 13) ou camarão (R$ 16). De sexta a domingo, das 18h à meia-noite. Entregas pelo 96659-7619 (WhatsApp).

Quentinhas da Tia Ana

Os pedidos (99135-6573 — Whatsapp) devem ser feitos sempre de segunda a sábado, das 11h às 16h. Entregas por Meriti (a taxa custa R$ 2). Os valores variam de R$ 10 a R$ 16.

Sabor e Sabores

Negócio que surgiu por causa da quarentena, a Sabor e Sabores (98853-4072) entrega panquecas (a partir de R$ 13), sopas (R$ 10), empadão (R$ 12) e doces diversos (a partir de R$ 3) em todo Rio. Pedidos mínimos de R$ 30.