Aclamada por sua "coragem e acuidade clínica", francesa Annie Ernaux vence Nobel de Literatura de 2022

© Francesca_Mantovani Editions_Gallimard_

O prêmio Nobel de Literatura de 2022 foi atribuído nesta quinta-feira (6) à escritora francesa Annie Ernaux. No anúncio, a Academia Sueca elogiou "a coragem e a acuidade clínica pelas quais ela revela raízes, privações e restrições coletivas de sua memória pessoal".

Após o anúncio da recompensa, em entrevista ao canal sueco SVT, Ernaux afirmou que receber o prêmio é "uma grande honra", mas também "uma "grande responsabilidade". A escritora de 82 anos classifica seu trabalho como "um testemunho de uma forma de justeza e de justiça, em relação ao mundo".

Professora de Literatura na Universidade de Cergy-Pontoise, na região parisiense, Annie Ernaux é autora de uma vasta e aclamada obra de cunho intimista e autobiográfico, em que disseca o peso da dominação de classes e as relações amorosas, dois temas que marcam seu itinerário de mulher castigada pelas origens populares.

Ela estreia em 1974 com "Les Armoires Vides" (Os Armários Vazios), em que conta sua experiência pessoal ao se submeter a um aborto clandestino. No premiado "Les Années" (Os Anos), publicado em 2008 e considerado seu chef-d'oeuvre, a autora resgata suas memórias do pós-guerra, com fotos e recordações que marcaram sua vida.

No entanto, é com L'Événement (O Acontecimento), publicado em 2000, que Annie Ernaux ganha notoriedade fora da França. Na obra, ela volta a tratar sobre o aborto, contando o drama de uma estudante que realiza a interrupção de uma gestação na França na época em que a prática ainda não era um direito. A história foi adaptada para o cinema, sob a direção da franco-libanesa Audrey Diwane, e recebeu o Leão de Ouro de melhor filme no Festival de Veneza em 2021.

Uma grande surpresa


Leia mais em RFI