Escritório do PL para Bolsonaro tem dois andares e balcão vermelho na recepção

O novo local de trabalho do presidente Jair Bolsonaro (PL) já está sendo preparado pelo PL. (Foto: REUTERS/Ricardo Moraes)
O novo local de trabalho do presidente Jair Bolsonaro (PL) já está sendo preparado pelo PL. (Foto: REUTERS/Ricardo Moraes)
  • Escritório de Bolsonaro no PL tem dois andares e diversas salas

  • Braga Netto, ex-candidato a vice-Presidência, também terá espaço próprio

  • Bolsonaro foi convidado a ocupar cargo de Presidente de honra no PL

O novo local de trabalho do presidente Jair Bolsonaro (PL) já está sendo preparado pelo Partido Liberal. Segundo informações do colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo, o lugar fica ao lado da sede da agremiação em Brasília (DF).

Trata-se de um espaço no nono andar de um prédio comercial, com dois andares e pelo menos uma dezena de salas. Na entrada, uma recepção com balcão vermelho, que não é nem de longe a cor favorita do mandatário em fim de mandato.

O ex-candidato a vice de Bolsonaro, General Braga Netto (PL) também terá uma pontinha no espaço, informa o colunista. O ex-ministro da Casa Civil e da Defesa ficará no segundo andar. Militar da reserva, ele pretende seguir carreira político-partidária e, assim como Bolsonaro, vai ter cargo no partido para isso.

Presidente de honra

Nesta terça-feira (8), Valdemar Costa Neto, presidente do PL nacional, anunciou oficialmente que o futuro ex-chefe do Executivo brasileiro foi convidado para atuar como ‘presidente de honra’ no partido.

O cargo foi criado anteriormente, para José Alencar Gomes da Silva, que foi vice-presidente de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nos mandatos conquistados em 2002 e 2006.

Na ocasião, Costa Neto também afirmou que a sigla fará oposição ao novo governo do petista, que se inicia no dia 1º de janeiro de 2023. Contudo, a legenda ainda analisa se apoia ou não a Proposta de Emenda à Constituição que está sendo construída pelo governo de transição para garantir, dentre outros pontos, o pagamento de um auxílio de R$ 600 para as famílias mais pobres.

O presidente do PL também disse não apoiar os protestos de bolsonaristas que fecharam estradas pelo país em descontentamento com o resultado das eleições presidenciais.