Espanhóis apostam em painéis solares

Os painéis solares estão a aparecer nos telhados dos edifícios um pouco por toda a Espanha, na sequência do aumento dos preços da energia.

O Ministério de Transição Ecológica espera instalar até 15 Gigawatts desta tecnologia durante a próxima década, mas a guerra na Ucrânia está a acelerar os planos do Governo para as redes de autoconsumo.

Neste prédio, em Madrid, acabam de instalar 76 painéis solares.

O presidente do conselho comunitário dos proprietários, Andrés Almansa, conta que "A ideia principal era consumir energia renovável, mas o que aconteceu é que quando chegou o momento de investir, em 2022, essa decisão foi ainda mais clara, precisamente devido ao aumento dos custos da energia".

É uma verdadeira corrida aos painéis solares. Empresas e cidadãos comuns espanhóis querem produzir a sua própria eletricidade de modo a ficarem cada vez menos dependentes do mercado global de energia.

"Estamos a viver um verdadeiro 'boom' no autoconsumo de eletricidade, com uma avalanche de pedidos de projetos e instalações. Relativamente às redes coletivas em edifícios residenciais em cidades, como esta em que nos encontramos, estamos a receber quatro vezes mais pedidos de projetos do que no ano de 2021", sublinha a diretora de clientes da Ecooo Solar Consulting, Laura Ramos.

Instalações solares coletivas em edifícios residenciais, como este, podem poupar até 40% das contas de celebridade dos residentes. Este número pode subir para 60% se for utilizado algum tipo de armazenamento como, por exemplo, baterias.

Um pacote de ajuda económica proveniente do Ministério espanhol de Transição Ecológica, juntamente com fundos da União Europeia, está a subsidiar 40% dos custos totais de instalação...

O diretor de Energias Renováveis do Ministério espanhol de Transição Ecológica, Victor Marcos, explica que "os preços da energia, a invasão russa da Ucrânia, o financiamento que estamos a pôr em prática e uma crescente consciência ambiental... Penso que todos juntos estamos a tornar o autoconsumo de eletricidade numa realidade".

Um fundo de mais de 1,3 mil milhões de euros e mais 500 milhões de euros a mais, que se aproximará da linha de fundo, garantirá que os 160.000 pedidos de redes de autoconsumo no país se tornem realidade.

No vizinho ibério a situação é semelhante. O Governo de Portugal criou um novo incentivo fiscal ao autoconsumo, e terá um custo total de cinco milhões de euros. Já a EDP, um dos principais distribuidores de eletricidade do país, anunciou em outubro que conta já com 1162 bairros solares contratados, com uma capacidade de 26 megawatt-pico.