Espanha afirma que ETA "não obterá nada" com desarmamento

Madri, 7 abr (EFE).- O porta-voz do governo da Espanha, Íñigo Méndez de Vigo, alertou nesta sexta-feira o grupo terrorista ETA que este "não obterá nada" com seu desarmamento, porque "o que o grupo tem que fazer" é se dissolver e ajudar a esclarecer a autoria de alguns dos atentados cometidos no passado.

Na entrevista coletiva posterior ao Conselho de Ministros, Méndez de Vigo deixou claro que a posição do Executivo se manteve "inalterada" e reiterou que não haverá contrapartidas por parte do Estado.

Desde o primeiro mandato do conservador Mariano Rajoy, a postura é a mesma e o Executivo assumiu que o que o ETA tinha que fazer era "se desarmar e se dissolver", indicou o porta-voz.

"Não vão obter nada de um Estado democrático como a Espanha", enfatizou Méndez de Vigo, convencido de que este conta com apoio de todos os democratas.

Méndez de Vigo considerou que o mais importante para as vítimas do grupo terrorista, com as quais o Executivo "sempre" estará, é que os terroristas colaborem para esclarecer seus crimes.

"E isso é o único que se pode dizer", concluiu o também ministro da Educação horas antes de o ETA iniciar a deposição das armas em Bayonne.

O grupo terrorista ETA anunciou em 20 de outubro de 2011 o fim definitivo de suas ações violentas com as quais matou, nas últimas cinco décadas, cerca de 850 pessoas em seu propósito de conseguir a independência do País Basco. EFE