Espanha e Brasil planejam cabo de fibra óptica submarino até 2019

SÃO PAULO (Reuters) - Os governos do Brasil e da Espanha se juntaram para ligar os dois países por um cabo submarino no Oceano Atlântico e oferecer serviços online e em nuvem rápidos para cidadãos de ambos os países até 2019, ressaltando esforços para desviar as comunicações para fora da América do Norte.

O cabo submarino EllaLink conectará data centers em Madri e São Paulo, assim como em Lisboa, usando anéis de fibra blindada, disseram autoridades nesta segunda-feira. O cabo também ligará os arquipélagos da Madeira, as Ilhas Canárias da Espanha e Cabo Verde da África ao longo da rota, acrescentaram.

Durante evento em São Paulo, o primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, disse que a obra para construir o primeiro cabo submarino de fibra óptica ligando a Europa ao Brasil deve ajudar a melhorar a segurança e a privacidade dos dados, por redirecionar as chamadas e navegação pela internet para longe do alcance dos EUA.

A ideia ganhou força quase quatro anos após a ex-presidente Dilma Rousseff e outros autoridades terem sido alvos de espionagem pessoal e econômica por agências de inteligência dos EUA.

Documentos divulgados pelo ex-contratado da agência de espionagem dos Estados Unidos Edward Snowden em 2013 mostraram que a Agência de Segurança Nacional dos EUA havia espionado os telefonemas de Dilma e de milhões de brasileiros.

O cabo submarino de 9.200 km de extensão e capacidade de 72-terabytes por segundo é cerca de sete vezes o tamanho da capacidade de comunicação existente entre a América Latina e o resto do mundo, disse Alfonso Gajate, presidente da EulaLink, um dos parceiros no negócio. Não foram dadas estimativas de custos.

A única ligação direta entre a Europa e a América do Sul é um cabo de cobre de 20 Gb colocado em 1999 por um consórcio de operadores de telefonia.

(Reportagem de Brad Haynes)

((Tradução Redação São Paulo; + 55 11 5644-7712))

REUTERS AAP RBS