Espanha pede a Cuba libertação 'imediata' de jornalista presa

·2 minuto de leitura
José Manuel Albares chega ao Palácio da Moncloa antes de sua primeira reunião do Conselho de Ministros, em 13 de julho de 2021, em Madrid

A Espanha pediu às autoridades cubanas nesta terça-feira (13) "a libertação imediata" da jornalista Camila Acosta, colaboradora do jornal madrilenho ABC, detida após os protestos de domingo contra o governo do presidente Miguel Díaz-Canel.

“Prender uma jornalista de um meio de comunicação espanhol, o ABC, parece inadmissível para mim”, afirmou o presidente do governo espanhol, Pedro Sánchez, em entrevista à rede de televisão Telecinco.

“Solicitamos ao Ministério de Relações Exteriores sua pronta libertação, temos que pedir que os cubanos possam se manifestar livremente”, acrescentou.

Sánchez afirmou ainda que é necessário “acelerar todas as reformas que possibilitem a prosperidade e os direitos e liberdades de que desfrutamos em nosso país”.

Anteriormente, o novo chanceler espanhol, José Manuel Albares, havia pedido às autoridades cubanas a "libertação imediata" da jornalista.

“Defendemos os direitos humanos incondicionalmente. Exigimos a libertação imediata de Camila Acosta”, escreveu no Twitter o ministro, que assumiu o cargo na segunda-feira como parte de uma ampla reestruturação do governo espanhol.

Camila Acosta, uma cubana de 28 anos, foi presa na segunda-feira, disse à AFP Alexis Rodríguez, redator-chefe da editoria internacional do jornal ABC.

Ela colabora com o jornal espanhol há cerca de seis meses e também trabalha para o site oposicionista Cubanet, que informa que a repórter foi presa pouco depois de deixar sua casa.

Cubanet acrescentou que Acosta estava cobrindo as manifestações populares que ocorreram em Havana contra o governo no domingo.

“O povo cubano gritou bem alto que perdeu o medo. É hora de pressioná-los para que deixem o poder. Se cedermos agora, teremos muitos mais anos de ditadura”, disse Acosta na última publicação que aparece em seu Twitter.

Rodríguez explicou que o diretor da ABC ligou para o Ministério das Relações Exteriores da Espanha nesta terça-feira e que durante o dia tentaria falar com o embaixador espanhol em Havana "para que ele tente fazer algo por ela".

No domingo, milhares de cubanos saíram às ruas de dezenas de cidades aos gritos de "temos fome", "liberdade" e "abaixo a ditadura", para protestar contra a crise econômica, a escassez de alimentos e remédios e os cortes de energia elétrica.

A intensificação do embargo americano, em vigor desde 1962, e a ausência de turistas devido à pandemia desencadearam uma profunda crise econômica e uma crescente inquietação social na ilha.

avl/CHZ/me/eg/lda/ic/am

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos