Espanha registra leve alta do número de mortes diárias por coronavírus

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, explica o plano de fim do confinamento em 28 de abril de 2020 em Madri

A Espanha registrou nesta quarta-feira (29) uma leve alta do número de mortes diárias por coronavírus, com 325 óbitos, mas também o dado mais elevado de pessoas curadas em 24 horas, 6.399, segundo o balanço divulgado pelo ministério da Saúde.

Com os 325 falecimentos, o número total de vítimas fatais no país alcança 24.275, o terceiro maior do mundo, depois de Estados Unidos e Itália.

Na comparação com o balanço global apresentado no dia anterior de 23.822 falecidos, o aumento é 453 pessoas, mas o ministério explicou que a diferença é explicada pela inclusão tardia de 128 mortes registradas em uma região e que correspondem a jornadas anteriores.

O país, que planeja o fim do confinamento por etapas a partir de maio e até o fim de junho, registrou o maior número de altas em 24 horas desde o início da epidemia, com 6.399 pessoas curadas, o que eleva o balanço global a quase 109.000.

Os novos casos diagnosticados também aumentaram, mas em menor medida: 2.144 positivos de coronavírus para um total de quase 213.000 infectados.

"A evolução que observamos continua sendo muito favorável, em linha com o que esperávamos", afirmou o diretor do Centro de Emergências Sanitárias, Fernando Simón, em sua entrevista coletiva diária.

O primeiro-ministro espanhol, o socialista Pedro Sánchez, apresentou na terça-feira um plano para um desconfinamento "progressivo" da população, que acontecerá por "fases" e deve terminar no fim de junho, caso a epidemia evolua de modo favorável.

Desde 14 de março, os 47 milhões de espanhóis vivem um dos confinamentos mais severos da Europa, que começou a ser flexibilizado na semana passada com as saída limitadas de menores de 14 anos e que deve prosseguir no fim de semana com a autorização para passeios ou exercícios individuais ao ar livre.