Especialista da defesa diz que George Floyd morreu de doença cardíaca

Jonathan Allen
·1 minuto de leitura

Um especialista médico que depôs para a defesa do ex-policial Derek Chauvin, da cidade norte-americana de Mineápolis, disse ao júri nesta quarta-feira (14) que acredita que a morte de George Floyd durante uma prisão foi resultado de uma doença cardíaca que fez seu coração bater de forma errática, o que se conhece como arritmia cardíaca súbita.

O doutor David Fowler, que foi o principal legista de Maryland até se aposentar em 2019, disse que a fumaça do escapamento do carro de polícia perto do qual Chauvin pressionou Floyd no chão também pode ter influenciado a morte de Floyd em maio de 2020.

Fowler pareceu contestar ao menos parte das conclusões do doutor Andrew Baker, o principal legista do condado de Hennepin, que declarou a morte de Floyd um homicídio causado por Chauvin e outros policiais que contiveram Floyd de uma maneira que privou seu corpo de oxigênio.

Fowler disse crer que a forma da morte poderia ser considerada um homicídio sob certa ótica e um acidente sob outras, e que por isso a teria declarado "imprecisa."

Chauvin, que é branco, declarou-se inocente das acusações de assassinato e homicídio culposo. Ele foi visto ajoelhado sobre o pescoço de Floyd - um homem negro que estava algemado - durante nove minutos em um vídeo gravado por um observador, o que causou protestos globais contra a brutalidade policial.

Fowler disse que a arritmia cardíaca de Floyd foi resultado de uma "doença cardíaca aterosclerótica e hipertensa", termos médicos que descrevem o estreitamento dos vasos sanguíneos e problemas cardíacos causados pela pressão alta.