Especialista vê avanço com mulher assumindo unidade do Degase onde jovens foram abusadas: 'Mas não pode ser única medida'

·2 minuto de leitura

RIO — A decisão da Secretaria de Estado de Educação (Seeduc) de nomear uma mulher para a diretoria do Centro de Socioeducação Professor Antônio Carlos Gomes da Costa (PACGC), unidade onde adolescentes relataram ter sofrido abuso sexual, na Ilha do Governador, é vista com bons olhos por especialista na área de educação.

— Fiquei muito triste e indignada quando vi a história sobre os abusos sofridos por essas adolescentes. Isso ocorreu em um espaço onde o estado tinha o papel de protegê-las e deveria prepará-las para voltar para uma vida mais saudável e segura. E ao olhar para estes espaços, me questionei se um lugar dedicado a meninas era adequado ter tantos agentes homens. Porque me pergunto se mulheres não estariam mais preparadas até para ter um envolvimento mais empático com as adolescentes do que estes que fizeram um concurso para outro tipo de abordagem, e não para a reeducação. Ver agora uma mulher assumindo a direção já é um avanço importante, mas não pode ser a única medida adotada — analisa Claudia Costin, diretora do Centro de Políticas Educacionais da FGV.

A agente de segurança socioeducativa Mariza Werneck, de 53 anos, foi a escolhida para ocupar o cargo de diretora. Em nota, a secretaria informou que o Degase dará prioridade à capacitação dos agentes e técnicos, em especial na formação em direitos humanos, além de priorizar funcionárias do sexo feminino em unidades que atendem jovens do mesmo gênero.

— Estes espaços, como o próprio nome diz, precisam ser socioeducativos. Com um modelo que não priorize uma punição, funcione como um depósito de adolescentes. É importante que os jovens estejam dentro da escola e possam ter uma vida o mais próximo possível do comum para um desenvolvimento saudável. Para isso, é necessário, além de todo apoio psicológico, profissionais que não tenham um olhar de ódio, de estereótipo, mas sim que olhem para elas como pessoas que podem se recuperar, reconstruir suas vidas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos